PUBLICIDADE

Estudo afirma que sobrecarga de e-mails no trabalho aumenta estresse

ver comentários
Publicidade

O excesso de e-mails que circulam pelas empresas está relacionado com o aumento de estresse dos trabalhadores, assim como com a perda de produtividade das companhias, alerta um estudo elaborado pela Universidade Católica de Louvain, na Bélgica.

A carga excessiva de emails atrapalha também a concentração e, principalmente, a produtiva dos funcionários
A carga excessiva de emails atrapalha também a concentração e, principalmente, a produtiva dos funcionários
Foto: Getty Images

"O excesso de e-mails e de informação em geral acarreta riscos sociais e psíquicos para os empregados e empobrece a empresa", disse, nesta segunda-feira (10), a professora responsável pela pesquisa, Caroline Sauvajol-Rialland à Agência EFE.

Os spams, "newsletters" e as mensagens eletrônicas internas contribuem para a saturação dos trabalhadores que, ao chegar a cada dia no trabalho, precisam organizar todas as informações.

A pesquisadora adverte que o fenômeno da "infobesidade", termo popularizado em 1970 pelo escritor americano Alvin Toffler em seu romance de Future Shock, representa uma ameaça tanto para a qualidade de vida dos trabalhadores como para a produtividade das empresas.

Segundo Caroline, mais de 90% das pessoas com responsabilidades nas empresas acreditam que o fluxo de informação que administram é excessivo. Deste total, 70% admitem que estão saturados de manejar tais dados.

A "sobrecarga de informação" provoca também interrupções na concentração e no ritmo de trabalho a cada sete minutos aproximadamente. Além disso, cada trabalhador usa 30% de sua jornada de trabalho em atender chamadas ou responder e-mails que cada vez exigem mais imediatismo, de modo que o próprio empregado contribui para o aumento de troca de informação, explicou Caroline.

"Se um trabalhador passa tanto tempo administrando as mensagens, essa atividade pode chegar a se sobrepor à atividade principal da empresa", disse Caroline.

Por isso, as novas tecnologias criadas para tramitar de maneira mais simples e eficaz o fluxo de informação estariam tendo o efeito contrário. "Algumas empresas oferecem treinamento especial para seus funcionários sobre como usar novas tecnologias para gerenciar de forma eficiente a informação", comentou.

Algumas companhias, inclusive, chegaram a propor que seja proibido receber e-mails no período pós-trabalho. "É preciso reconhecer o direito ao intervalo", defende a pesquisadora. Ela ressalta também que o uso de computadores ou outros dispositivos móveis que permitem acessar as mensagens corporativas fora do horário de trabalho "aumenta o estresse" e "mina" a produtividade da empresa.

EFE   
Publicidade
Publicidade