PUBLICIDADE

Bobi, cachorro mais velho do mundo, morre aos 31 anos

Cão entrou para o livro dos recordes oito meses atrás; tutor e veterinária contam que Bobi enfrentava luta "dura" contra problemas de saúde

23 out 2023 - 12h11
Compartilhar
Exibir comentários
Bobi viveu mais de três décadas
Bobi viveu mais de três décadas
Foto: Reprodução/ Facebook @guinnessworldrecords

O cachorro Bobi, reconhecido pelo Guinness World Records como o mais velho do mundo, morreu no último sábado (21). O animal da raça Rafeiro do Alentejo, de puro sangue, tinha 31 anos e 165 dias.

Sua morte é decorrente de problemas de saúde que o cão já tratava — ele estava internado em uma unidade de saúde veterinária na cidade de Leiria, em Portugal. O óbito foi confirmado pela médica veterinária Karen Becker, que acompanhou o animal em diversas ocasiões.

A perda também foi comentada por Leonel Costa, tutor de Bobi desde a infância. O homem ressalta que a luta do cão foi "dura" e que somente "um guerreiro [como ele] poderia ter aguentado".

Conheça o maior pitbull do mundo, avaliado em R$ 12,5 milhões Conheça o maior pitbull do mundo, avaliado em R$ 12,5 milhões

"Ficam as melhores memórias de uma longa vida onde [ele] foi feliz e, principalmente, fez muita gente feliz", declarou o tutor. Para Costa, com a morte do cão, um dos pilares de sua família ruiu.

Conheça a história de Bobi

Segundo o jornal O Globo, Bobi nasceu em 11 de maio de 1992. Ele ficou aos cuidados de Costa por ser fruto da ninhada de outro animal da família.

O tutor lembra, inclusive, que seus pais pensaram que Bobi não fosse resistir por muito tempo após seu nascimento. Mas o então garoto de 8 anos insistiu e ficou com o cachorro, inicialmente escondido.

O resto é história, com Bobi alcançando mais de três décadas de vida. O título de cão mais velho veio apenas este ano, em fevereiro.

"Diga olá a Bobi, o cachorro mais velho do mundo a ser registrado pelo Guinness World Records aos 30 anos e 266 dias", anunciou o perfil do livro dos recordes em um post compartilhado no Twitter. Embora a longevidade do cão atraia curiosidades, Leonel Costa não considera a possibilidade de entregar o corpo dele para estudos científicos.

Fonte: Redação Terra Você
Compartilhar
Publicidade
Publicidade