PUBLICIDADE

Fenômeno da Impostora: o que é e como identificar

Pesquisa revela que 46% das mulheres acreditam que os outros as acham mais competentes do que realmente são

30 ago 2021 22h05
ver comentários
Publicidade
Não se sentir qualificada, experiente ou competente o bastante são alguns dos sinais da impostora
Não se sentir qualificada, experiente ou competente o bastante são alguns dos sinais da impostora
Foto: Shutterstock / Alto Astral

Você já se sentiu insuficiente ou incapaz? Ou então já pensou que não merece estar onde está e que a qualquer momento alguém vai desmascarar você?

Se a resposta para essas perguntas for um belo e sonoro "sim", saiba que você não está sozinha. Em palestra para o TEDx Talks, a repórter Rafa Brites logo começa:

"O que eu tô fazendo aqui? Meu deus do céu, não dá tempo de ir embora porque tá todo mundo assistindo... eu não sei o que eu tô fazendo aqui, porque eu não sou formada em Harvard, eu não sou formada nem na USP, gente. Não tenho nem doutorado. Não inventei nada pra ciência de útil. Também não tenho uma empresa unicórnio que faturou bilhões. Meu deus do céu, não tenho nenhuma história. Posso falar? Eu sou ima IMPOSTORA!", afirma.

Nos últimos anos, cada vez mais mulheres têm levantado esses mesmos questionamentos que Rafa e se identificado com o que é popularmente conhecido como Síndrome da Impostora. Basicamente, a "síndrome da impostora" é um padrão psicológico no qual duvidamos das nossas habilidades, talentos e consquistas. Tal cenário faz com que a gente sinta que a qualquer momento seremos revelados como impostores.

Mas onde tudo começou?

Uma rápida pesquisa no Google revela que as primeiras conversas acerca do tema aconteceram no final dos anos 1970, quando as psicólogas Suzanne Imes e Pauline Rose Clance publicaram o artigo The impostor phenomen in high achieving women: dynamics and therapeutic intervention (O fenômeno do impostor em mulheres de sucesso, dinâmicas e intervenção terapêutica, em tradução livre).

No estudo, foram analisadas mulheres que creditavam seu sucesso à sorte ou timing, por exemplo. Além disso, nele também foi desenvolvida a chamada escala do impostor, ou escalda de Clance, que classifica as pessoas a partir de um questionário.

Síndrome ou fenômeno?

Lançada no início de julho deste ano, a pesquisa proprietária da Discovery Brasil, A Falsa Farsa, aponta que para uma circunstância ser considerada como síndrome, ela deve ser reconhecida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) por apresentar sintomas ou sinais, como no caso das doenças. Mas esse não é o caso da "Síndrome" da Impostora.

Desse modo, a denominação mais adequada é Fenômeno da Impostora.

Afinal, o que é o Fenômeno da Impostora?

Como apontado no início deste texto, é um sentimento de dúvida e de "a qualquer momento vão descobrir que sou uma farsa". A pesquisa da Discovery, que também é o primeiro estudo sobre o tema, coloca o Fenômeno da Impostora como "um sentimento de inadequação" e "sensação de não pertencimento, de não atingir as expectativas dos outros, ou até mesmo a própria, sobre sua performance", sendo que as mulheres são as mais afetadas

Não se sentir qualificada, competente ou experiente são alguns sintomas da impostora. / Shutterstock
Não se sentir qualificada, competente ou experiente são alguns sintomas da impostora. / Shutterstock
Foto: Alto Astral

Um dos pensamentos mais comuns entre as mulheres que sofrem com o Fenômeno da Impostora é "eu não mereço estar aqui", pois sentem que não têm o que é preciso para "estar lá". Em outras palavras: para as impostoras suas habilidades não são a principal razão para serem bem-sucedidas, mas o acaso.

De acordo com A Falsa Farsa, 46,1% das mulheres entrevistadas acreditam que os outros as acham mais competentes do que realmente são. Pouco mais de 58% têm medo de não corresponder às expectativas dos outros. E quase 60% confirmam que têm medo de não transmitirem segurança nas atividades que realizam.

E apesar de não atribuirem o sucesso às suas próprias habilidades, as mulheres sentem o fracasso é culpa delas. O estudo da Discovery mostra que mais de 66% das mulheres acredita que "se eu fracassei, é apenas porque não me dediquei suficiente".

Por outro lado, segundo a edição de 2020 do estudo anual da KPMG, o Womens Leadership, mais de 80% das executivas do mercado acreditam que os homens não sofrem com o Fenômeno da Impostora da mesma forma que as mulheres.

Causas

Segundo A Falsa Farsa, as causas desse sentimento podem estar enraizadas logo na infância, quando o machismo estrutural passa a afetar as crianças ao associar meninas à palavras como "princesa" e "delicada" e meninos à "inteligente" e "destemido", por exemplo.

Assim, as mulheres passam a se reconhecer como inferiores em termos intelectuais e se sentem demasiadamente cobradas. Logo, elas entendem que precisam se esforçar muito mais para atingirem seus objetivos. O perigo, no entanto, é que parâmetros inalcançáveis passam a ser criados.

Uma outra justificativa para a mulher impostora são as redes sociais, que cada vez mais colocam padrões ideias de sucesso e felicidade, por exemplo. De acordo com a pesquisa pioneira da Discovery, enquanto 35,9% das mulheres comparam seus sucessos com os dos outros, 36,1% acham que não têm o mesmo nível de conhecimento das pessoas ao seu redor.

Isso é reflexo de um sistema em que estamos acostumados a ver recordes da vida de outras pessoas e encarar aquilo como vida real, ignorando todas as batalhas ou perrengue por trás de um clique do Instagram ou postagem do LinkedIn, por exemplo. 

Em entrevista para o estudo A Falsa Farsa, a psicóloga Ciça Conte observa: "todo mundo é o impostor do outro". 

Por fim, outro ponto que vale ser mencionado quando falamos de causas para o Fenômeno da Impostora é a falta de representatividade. 32% das mulheres revelaram que se identificaram com a síndrome do impostor por não conhecerem outras pessoas na mesma posição que elas, aponta A Falsa Farsa.

Quais os sinais?

Segundo a pesquisa, os principais sinais do Fenômeno da Impostora são: busca pela perfeição (objetivos cada vez mais difíceis de serem atingidos), ultradedicação (para algo dar certo, basta se esforçar; as habilidades não contam) e isolamento ("antes só do que criticada").

O que fazer para lutar contra o Fenômeno da Impostora?

Não há fórmula mágica capaz de fazer com que as mulheres, principalmente, não vivam como impostoras. Contudo, com base na pesquisa, levantamos 7 dicas para te ajudar a controlar o Fenômeno da Impostora, confira:

1- Se permita errar, está tudo bem em não acertar sempre;

2- Pratique a autoaceitação;

3- Dê pausas durante o expediente e fora dele;

4 - Viva sua vulnerabilidade;

5 - Crie o hábito de se elogiar e não espere apenas por críticas;

6 - Não fuja de reuniões de feedbacks por medo;

7 - Lembre-se: você é capaz, não deixe a insegurança te dominar!

Fonte: pesquisa A Falsa Farsa (Discovery Brasil, 2021). 

Alto Astral
Publicidade
Publicidade