PUBLICIDADE

Chip da beleza: o método pode não ser tão seguro assim

Apesar dos benefícios prometidos, o implante hormonal pode mexer com a saúde da mulher

15 nov 2021 09h30
| atualizado em 19/11/2021 às 17h07
ver comentários
Publicidade
Endocrinologista alerta para possíveis perigos decorrentes do uso do chip da beleza
Endocrinologista alerta para possíveis perigos decorrentes do uso do chip da beleza
Foto: Shutterstock / Alto Astral

Você já ouviu falar em chip da beleza? Com um nome popular bastante atrativo, o implante hormonal, na verdade, não é um chip, mas um tubo de silicone colocado dentro da pele, que libera doses diárias de hormônio. Ainda que esse método prometa ser útil para perder peso e tratar a endometriose, por exemplo, muitos médicos têm alertado para os perigos de seu uso. 

Conversamos com a endocrinologista Maria Fernanda Barca, membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), para desmistificar o chip da beleza e mostrar para que serve, como usar, quais suas contraindicações, efeitos colaterais e preço. Tire suas dúvidas de uma vez por todas! 

Alto Astral: Quais são os hormônios presentes no chip da beleza e para que servem?

Maria Fernanda Barca: Vários chips são usados e eles podem conter estrógeno, progesterona e testosterona. Mas o chip da beleza contém um hormônio derivado, a gestrinona, usada como contraceptivo e para tratar sintomas da TPM e endometriose. Como ele não tem ação contra a testosterona, dá um vigor, aumenta a libido e, quando acompanhado da musculação, acentua a parte masculina, ou seja, dá força, aumenta a massa muscular e diminui gordura. 

AA: Esse método é seguro?

MFB: Não existe publicação para assegurar que o chip da beleza não cause cânceres, por exemplo. Vale lembrar também que apenas um é produzido pela indústria farmacêutica, ou seja, se fosse algo sério, encontraríamos outros nas farmácias. Para obter esses resultados, existem métodos mais seguros disponíveis, como o DIU, por exemplo, que trazem os mesmos efeitos. Por essas razões, sou bastante avessa ao uso. 

AA: Quais são as indicações e contraindicações?

MFB: Em geral, as pacientes buscam para tratar endometriose e sintomas de TPM, mas, no meu ponto de vista, ele é contraindicado para todos, pois não é um tratamento sério. No entanto, algumas condições devem impedir ainda mais seu uso, como caso ou histórico familiar de câncer de mama e outros cânceres ginecológicos, e pessoas com tendência à coagulação, uma vez que pode resultar em trombose venosa e acidente vascular cerebral (AVC). 

AA: Qual é a durabilidade do chip da beleza?

MFB: Dura de 6 meses a um ano. Depois disso, precisa ser trocado junto ao médico.

AA: Quanto custa?

MFB: Os preços variam entre R$ 4 mil a R$ 6 mil reais cada. 

AA: Quais são os principais efeitos colaterais? 

MFB: A gestrinona por si só já tem efeitos masculinizantes. Alguns exemplos disso são: acne, hirsutismo (excesso de pelos) e voz rouca e masculinizada. Além disso, o silicone — matéria-prima do implante — pode causar problemas futuros, como rejeições, inflamações e infecções, quando não confeccionado de forma segura. 

AA: Como é feita a aplicação? 

MFB: Ele é colocado, normalmente, no glúteo com anestesia local e demora cerca de 10 minutos. É um procedimento bem simples. 

AA: Vale a pena usar o chip da beleza?

MFB: Hormônios não são brincadeiras e os médicos devem primar pela saúde das pacientes sempre. Por isso, aconselho opções disponibilizadas e reconhecidas no mercado e que trarão o mesmo efeito, porém de forma mais segura. 

Fonte: Maria Fernanda Barca, endocrinologista pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) e da Sociedade Europeia de Endocrinologia (SEE).

Alto Astral
Publicidade
Publicidade