PUBLICIDADE
URGENTE
Saiba como doar qualquer valor para o PIX oficial do Rio Grande do Sul

Tragédia no RS: gaúcho pendura cama no teto para salvar móvel da enchente em Pelotas

Pescador agora vive em canoa em frente à residência, para monitorar o nível da água

15 mai 2024 - 13h16
(atualizado às 14h06)
Compartilhar
Exibir comentários
Pescador vive próximo da Lagoa dos Patos, em Pelotas
Pescador vive próximo da Lagoa dos Patos, em Pelotas
Foto: Reprodução/Profissão Repórter

Boa parte dos moradores das cidades atingidas pelas enchentes do Rio Grande do Sul saíram de suas casas e estão em abrigos até que a situação se normalize. No entanto, tem gente que ainda não deixou a residência e enfrenta perrengue e perigo com a invasão da água. É o caso de um pescador que pendurou a própria cama no teto do quarto em Pelotas, no sul do Estado. 

A casa de Leonido dos Santos Júnior fica próximo à Lagoa dos Patos e foi tomada por água. Ao Profissão Repórter, da TV Globo, ele disse que nunca tinha passado por essa situação.

"Faz dez anos que nós moramos neste ponto e nunca tinha entrado água dentro de casa. Entrou e não saiu mais", contou. 

O gaúcho não pensou em deixar a casa e se abrigar em um ponto seguro. Isso porque ele é tutor de quatro filhotes de gato e outros bichinhos de estimação que não pretende deixar para trás. Já a esposa e o filho de Leonido saíram da residência da família assim que a inundação começou. 

Gaúcho pendurou cama no teto
Gaúcho pendurou cama no teto
Foto: Reprodução/Profissão Repórter

Foi justamente porque escolheu ficar que o pescador teve a ideia de "salvar" sua cama da água. Ele amarrou algumas cordas nos pés do móvel e as prendeu nas vigas de madeira do teto da casa.

Com a cama pendurada no teto e a água enchendo a região cada vez mais, Leonido vive, atualmente, em uma canoa em frente à casa. De lá, ele contou ao Profissão Repórter que tenta monitorar o aumento do volume da água que está entrando na residência da família. 

Boletim das enchentes

Leonido dos Santos Júnior é só um dos vários afetados com as enchentes que atingem o Rio Grande do Sul desde o final de abril. Até agora, 2,1 milhões de moradores de 446 municípios gaúchos foram afetados pela tragédia.

Os números são ainda mais expressivos: mais de 76 mil resgates já foram realizados, e 108 pessoas seguem desaparecidas. Até então, 149 mortes foram confirmadas em decorrência da tragédia.

Morador vive em canoa para monitorar água
Morador vive em canoa para monitorar água
Foto: Reprodução/Profissão Repórter

Já o número de pessoas que precisam de abrigo no Rio Grande do Sul voltou a cair nesta quarta-feira, 15, de acordo com o último balanço divulgado pela Defesa Civil do Estado. São 76.580 pessoas abrigadas, 2.914 a menos do que na terça-feira, 14.

A Defesa Civil também emitiu alerta para a Região Metropolitana de Porto Alegre, nesta quarta-feira, 15. já que os rios da região seguem em elevação. Por isso, órgão pede que moradores evitem locais anteriormente alagados pelo Rio Guaíba.

Como doar roupas para as vítimas do Rio Grande do Sul Como doar roupas para as vítimas do Rio Grande do Sul

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Publicidade