PUBLICIDADE

2023 será o ano mais quente já registrado até agora, afirma o observatório europeu

Conforme o relatório, este ano já teve seis meses com recorde; novembro de 2023 foi o 11° mês do ano mais quente já registrado mundialmente

6 dez 2023 - 09h51
(atualizado às 10h26)
Compartilhar
Exibir comentários

O ano de 2023 será o mais quente já registrado na história, mostram dados recolhidos pelo observatório europeu Copernicus, de acordo com divulgação feita nesta quarta-feira, 6. As informações coincidem com a realização da Conferência do Clima das Nações Unidas (COP-28) em Dubai, onde são discutidas as questões relacionadas aos impactos dos combustíveis fósseis.

Conforme o Copernicus, novembro de 2023 foi o 11° mês do ano mais quente já registrado mundialmente, com uma temperatura média global de 14,22°C, um valor 0,85°C acima da média para o período de novembro de 1991-2020 e 0,32°C acima da temperatura do novembro mais quente anterior, em 2020.

"A anomalia da temperatura global para novembro de 2023 foi equivalente à de outubro de 2023, e apenas inferior à anomalia de setembro de 2023 de 0,93°C", consta no relatório.

Novembro deste ano também foi cerca de 1,75°C mais quente do que a média estimada de novembro para 1850-1900, o período de referência pré-industrial designado.

"Para o ano civil até agora, de janeiro a novembro, a temperatura média global para 2023 é a mais alta já registrada, 1,46°C acima da média pré-industrial do período de 1850-1900 e 0,13°C acima da média de onze meses para 2016, atualmente o ano civil mais quente já registrado", disse o Copernicus.

Na Europa, a temperatura média para entre setembro e novembro de 2023 foi de 10,96°C, ficando 1,43°C acima da média. Isto tornou o outono boreal de 2023 o segundo mais quente já registado, apenas 0,03°C mais fresco que o outono de 2020.

"As extraordinárias temperaturas globais de novembro, incluindo dois dias com mais de 2.°C acima da média pré-industrial, significam que 2023 é o ano mais quente já registrado na história", afirmou Samantha Burgess, diretora adjunta do Serviço de Mudanças Climáticas Copernicus.

Para o diretor Carlo Buontempo, enquanto as concentrações de gases de efeito estufa continuarem a aumentar, não podemos esperar resultados diferentes daqueles observados este ano. "A temperatura continuará a subir, assim como os impactos das ondas de calor e das secas. Alcançar emissões líquidas zero o mais rapidamente possível é uma forma eficaz de gerir os nossos riscos climáticos" , afirmou ele.

Estadão
Compartilhar
Publicidade
Publicidade