PUBLICIDADE

Asteroide que acabou com dinossauros pode ter ajudado outros animais; entenda novo estudo

Pesquisa que analisou o DNA de 124 espécies de pássaros desafia o conceito de impulso na evolução das aves após a queda do asteroide

15 fev 2024 - 03h10
(atualizado às 08h21)
Compartilhar
Exibir comentários
Natural History Museum, em Londres
Natural History Museum, em Londres
Foto: Mike Kemp/In Pictures via Getty Images

Sessenta e seis milhões de anos atrás, um asteroide atingiu o Golfo do México. A catástrofe levou à extinção de até três quartos de todas as espécies da Terra, incluindo dinossauros como o Tyrannosaurus rex. Mas alguns dinossauros com penas voadoras sobreviveram e acabaram evoluindo para as mais de 10.000 espécies de aves que vivem hoje, incluindo beija-flores, condores, papagaios e corujas.

Com base no registro fóssil, os paleontólogos há muito argumentam que o impacto do asteroide foi seguido por um grande impulso na evolução das aves. A extinção em massa de outros animais pode ter eliminado muita concorrência para as aves, dando a elas a chance de evoluir para a notável diversidade de espécies que voam ao nosso redor hoje.

Mas um novo estudo sobre o DNA de 124 espécies de pássaros desafia essa ideia. Uma equipe internacional de cientistas descobriu que os pássaros começaram a se diversificar dezenas de milhões de anos antes da fatídica colisão, sugerindo que o asteroide não teve nenhum efeito importante na evolução dos pássaros.

"Imagino que isso vá mexer com algumas penas", disse Scott Edwards, biólogo evolucionário da Universidade de Harvard e um dos autores do estudo. A pesquisa foi publicada na segunda-feira na revista Proceedings of the National Academy of Sciences.

Os dinossauros desenvolveram penas primitivas há pelo menos 200 milhões de anos, não para voar, mas provavelmente para se isolar ou para se exibir para o acasalamento. Em uma linhagem de pequenos dinossauros bípedes, essas penas se tornaram mais complexas e, por fim, levaram as criaturas ao ar como pássaros.

Ainda se discute como as penas se transformaram em asas para voar. Mas, uma vez que as aves evoluíram, elas se diversificaram em uma variedade de formas, muitas das quais foram extintas quando o asteroide mergulhou a Terra em um inverno que durou um ano.

Ao procurar fósseis dos principais grupos de pássaros vivos atualmente, os cientistas não encontraram quase nenhum que tenha se formado antes da queda do asteroide. Essa ausência surpreendente levou a uma teoria de que as extinções em massa liberaram a arena evolutiva para as aves, permitindo que elas explodissem em muitas novas formas.

Mas o novo estudo chegou a uma conclusão muito diferente

"Descobrimos que essa catástrofe não teve impacto sobre as aves modernas", disse Shaoyuan Wu, biólogo evolucionista da Jiangsu Normal University em Xuzhou, China.

Wu e seus colegas usaram o DNA das aves para reconstruir uma árvore genealógica que mostrava como os principais grupos estavam relacionados. A divisão mais antiga criou duas linhagens: uma que inclui os avestruzes e as emas atuais e outra com o restante de todas as aves vivas.

Os cientistas então estimaram quando os ramos se dividiram em novas linhagens comparando as mutações que se acumularam ao longo dos ramos. Quanto mais antiga a divisão entre dois ramos, mais mutações cada linhagem acumulou.

A equipe incluiu paleontólogos que ajudaram a ajustar as estimativas genéticas examinando a idade de 19 fósseis de aves. Se um ramo parecia ser mais novo do que um fóssil que pertencia a ele, eles ajustavam o modelo de computador que estimava o ritmo da evolução das aves.

Michael Pittman, paleontólogo da Universidade Chinesa de Hong Kong que não participou do novo estudo, disse que ele foi particularmente notável devido à análise dos fósseis. "Eles tinham uma equipe de paleontólogos dos sonhos", disse ele.

O estudo descobriu que as aves vivas compartilhavam um ancestral comum que viveu há 130 milhões de anos. Novos ramos de sua árvore genealógica se separaram de forma constante durante o período Cretáceo e depois dele, em um ritmo bastante constante, tanto antes quanto depois do impacto do asteroide. Wu disse que essa tendência constante pode ter sido alimentada pela crescente diversidade de plantas com flores e insetos durante o mesmo período.

Jacob Berv, biólogo evolucionista da Universidade de Michigan que não participou do estudo, disse que ele ilustra os métodos mais modernos para processar grandes quantidades de dados genéticos para reconstruir a história evolutiva. Mas ele não concordou com sua conclusão.

Se o novo estudo estivesse correto, deveria haver fósseis de todos os principais grupos de aves vivas bem antes do impacto do asteroide. Mas quase nenhum foi encontrado.

"O sinal do registro fóssil não é ambíguo", disse Berv.

Berv suspeita que a história correta vem dos fósseis e que a maioria dos principais grupos de aves surgiu após o impacto do asteroide. O problema com o novo estudo, segundo ele, é que ele supõe que o DNA das aves acumulou mutações em uma taxa constante de uma geração para a outra.

No entanto, a devastação causada pelo impacto do asteroide - que provocou o colapso das florestas e a escassez de presas - pode ter levado à morte de aves maiores, enquanto as menores sobreviveram. Os pássaros pequenos levam menos tempo para se reproduzir e produziriam muito mais gerações - e muito mais mutações - do que os pássaros antes do impacto. Se os cientistas ignorarem esse tipo de excesso de mutação, eles errarão o momento da evolução.

Ainda assim, Berv reconheceu que os cientistas estão apenas começando a desenvolver métodos que poderiam permitir uma melhor estimativa da taxa de evolução e integrá-la a outras evidências, como DNA e fósseis. "Suspeito que isso reconciliará alguns dos debates", disse ele./Este artigo foi publicado originalmente em The New York Times

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Estadão
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Publicidade