0

Uber diz ter recebido mais de 3 mil denúncias de assédio sexual nos EUA em 2018

6 dez 2019
11h51
atualizado às 11h55
  • separator
  • 0
  • comentários

A Uber disse ter recebido mais de 3 mil denúncias de assédio sexual em seus 1,3 bilhão de corridas nos Estados Unidos no ano passado, em um relatório que visa garantir aos motoristas e ao público que está levando a segurança a sério.

06/11/2019
REUTERS/Mohamed Abd El Ghany
06/11/2019 REUTERS/Mohamed Abd El Ghany
Foto: Reuters

O número representa uma queda de 16% na taxa de incidentes do ano anterior nas cinco categorias mais graves de assédio sexual, informou a Uber na quinta-feira em seu primeiro relatório de segurança dos EUA.

A empresa também disse que relatos de agressões a passageiros ignoram os riscos para os motoristas, já que os passageiros representam cerca de metade dos acusados.

A empresa, que opera em 70 países, disse que o relatório mostra seu compromisso com a transparência para melhorar a responsabilidade e a segurança em todo o setor. Ela disse que usará o que aprendeu produzindo o relatório em seus "próximos passos" em outros lugares.

"Suspeito que muitas pessoas ficarão surpresas com a raridade desses incidentes; outras entenderão que ainda são muito comuns. Algumas pessoas apreciarão o quanto fizemos sobre a segurança; outras dirão que temos mais trabalho a fazer. E todas essas pessoas estão certas", disse o presidente-executivo Dara Khosrowshahi no Twitter.

No relatório, a Uber disse que 99,9% de suas 2,3 bilhões de viagens nos EUA em 2017 e 2018 terminaram sem incidentes de segurança.

A empresa informou que recebeu 235 denúncias de "penetração sexual não consensual" no ano passado e 280 de "tentativa de penetração sexual não consensual" - quase todas registradas por mulheres. Os relatórios de assédio restantes incluíam incidentes como beijos ou toques indesejados em partes do corpo.

Também detalhou 10 agressões físicas fatais em 2017 e nove em 2018 - oito vítimas eram passageiros, sete eram motoristas usando o aplicativo da Uber e quatro eram terceiros.

Em um evento na quarta-feira, Khosrowshahi disse que priorizou melhorar a cultura e a segurança da Uber ao assumir seu cargo em 2017. Na época, a Uber estava lidando com consequências regulatórias e uma reação pública sobre suas práticas de negócios, forçando o ex-presidente-executivo e fundador Travis Kalanick a deixar o cargo.

"Tivemos que mudar a cultura internamente e simplesmente começamos a fazer a coisa certa", disse Khosrowshahi, acrescentando que a Uber não estava escondendo nada publicando as informações internas.

Veja também:

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade