4 eventos ao vivo

Qualcomm aumenta apostas em notebooks e smartphones 5G

3 set 2020
12h25
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A Qualcomm está intensificando seus esforços para colocar smartphones 5G ao alcance de bilhões de pessoas e investindo em novos notebooks com conexão móvel voltados para o crescente número de pessoas que trabalham em casa devido à pandemia de Covid-19.

28/06/2019
REUTERS/Aly Song/File Photo
28/06/2019 REUTERS/Aly Song/File Photo
Foto: Reuters

A fabricante de chips dos EUA lançou nesta quinta-feira uma versão habilitada para redes 5G de seus chip Snapdragon 4 que rodará em telefones mais baratos, ao valor de 125 a 250 dólares, que chegará aos mercados no primeiro trimestre do ano que vem.

"Ele cumprirá a promessa de tornar o 5G acessível a todos os usuários de smartphones", disse o presidente da Qualcomm, Cristiano Amon, em um vídeo na abertura da feira de tecnologia ao consumidor IFA em Berlim.

O evento de três dias, que atraiu 240 mil visitantes no ano passado, está fechado ao público este ano devido à pandemia. Em vez disso, está sendo realizado de maneira híbrida, com uma mistura de eventos online e presenciais para membros do setor e da imprensa.

Amon também anunciou uma plataforma 5G para oferecer suporte a notebooks "sempre ligados, sempre conectados", que são cada vez mais procurados por pessoas que trabalham em casa e que precisam de conexões rápidas e seguras para fazer login nas redes empresariais ou participar de videoconferências.

"Podemos estar mais perto de atingir a velocidade de escape por causa do que aconteceu", disse ele à Reuters em entrevista, prevendo que o crescimento de PCs conectados duraria mais que a pandemia, já que os consumidores exigem recursos que correspondam aos dos melhores smartphones.

Veja também:

Veja como funciona a Bixby, assistente de voz da Samsung
Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade