0

Fundadora de startup brasileira de psicologia recebe prêmio mundial

Tatiana Pimenta recebeu R$ 118 mil na premiação mundial Cartier Women's Initiative Awards; o trabalho da startup Vittude, que conecta psicólogos a pacientes, foi reconhecido como um impacto social importante na área da saúde

8 mai 2019
05h11
atualizado às 11h23
  • separator
  • comentários

A brasileira Tatiana Pimenta, fundadora da startup Vittude, que conecta psicólogos a pacientes, recebeu US$ 30 mil (cerca de R$ 118 mil) na premiação mundial Cartier Women's Initiative Awards, que reconhece empreendedoras mulheres que estão à frente de negócios de impacto social. Engenheira civil de 37 anos, ela foi uma das 21 finalistas e ficou em segundo lugar na categoria América Latina - ao todo, três mil pessoas se inscreveram para a premiação.

Tatiana esteve na semana passada em São Francisco, nos Estados Unidos, para participar do evento. Para ela, a premiação traz retornos práticos, como conexão com investidores estrangeiros. "Empresas lideradas por mulheres têm dificuldade para receber aportes, já que não há quase mulheres em fundos de investimento. Prêmios como esse dão visibilidade", disse ela, em entrevista ao Estado. "Em breve devemos ter fechamento de uma rodada de investimento, fruto de conversas que surgiram com a premiação", adianta.

A startup, fundada em 2016, é uma plataforma digital que ajuda as pessoas a encontrarem psicólogos. A ideia, segundo Tatiana, surgiu da dificuldade de se comunicar com os profissionais de saúde.

"Na hora de procurar um psicólogo no plano de saúde as únicas informações que temos são nome, telefone e endereço. Isso não é suficiente para a escolha", diz Tatiana, que além de fundadora é presidente executiva da startup. A Vittude também atende empresas, oferecendo vale consulta para os empregadores distribuírem entre os funcionários.

Concorreram na premiação apenas empresas com fins lucrativos, lideradas por mulheres e que causam impacto social em áreas como saúde, educação e sustentabilidade. "Sabíamos que tínhamos chance de ganhar. Infelizmente, há poucas mulheres em posição de liderança e também existem poucas empresas no Brasil que olham para setores de impacto social", diz Tatiana. Na premiação, o trabalho da startup foi visto como um impacto social importante na área da saúde.

*É estagiária, sob supervisão da repórter Mariana Lima

Estadão

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade