PUBLICIDADE

Derretimento de gelo na Antártida quebra recordes e preocupa

O aquecimento dos oceanos pode contribuir para o maior derretimento de gelo na Antártida. Como 2023 quebrou recordes da quantidade mínima de gelo, 2024 preocupa

24 abr 2024 - 11h00
(atualizado às 14h18)
Compartilhar
Exibir comentários

O derretimento de gelo na Antártida já é uma preocupação antiga, mas de uns tempos pra cá (mais precisamente, desde 2016) a situação tem piorado a níveis alarmantes. No início de 2023, o gelo chegou ao menor nível registrado — 17% abaixo da média. Em 2024, a extensão do gelo marinho segue despertando alertas.

Foto: henrique setim/unsplash / Canaltech

Quando chega o inverno na Antártida, o gelo marinho se expande consideravelmente: de cerca de 3 milhões de quilômetros quadrados para 18 milhões, mais ou menos.

Mas o NSIDC mostra que em setembro de 2023, o gelo da Antártida atingiu a extensão anual de 16,96 milhões de quilômetros quadrados, o que significa o registro mais baixo desde 1979.

Foi a primeira vez (dentre os registros) que a extensão anual do gelo marinho não ultrapassou sequer os 17 milhões de quilômetros quadrados.

Na verdade, essa taxa ficou mais de um milhão de quilômetros quadrados abaixo do recorde anterior de extensão mais baixa, estabelecido em 1986.

Antártida sofre com redução no gelo

No verão, o gelo oscilava entre mínimos relativamente estáveis. Só que em 2023 foi o menor mínimo de todos os tempos: em fevereiro, apenas 1,91 milhão de quilômetros quadrados. Em fevereiro de 2024, o mínimo chegou bem perto: apenas 1,98 milhão de quilômetros quadrados.

No ano passado, a instituição compartilhou a preocupação por causa do aquecimento dos oceanos: "Existe alguma preocupação de que este possa ser o início de uma tendência de declínio a longo prazo do gelo marinho da Antártida, uma vez que os oceanos estão a aquecer globalmente e a mistura de água quente na camada polar do Oceano Antártico poderá continuar".

Fica o alerta de que o gelo marinho é um "componente importante do equilíbrio energético da Terra". Uma das preocupações é que a costa fique exposta às ondas oceânicas e ao clima marinho, o que pode levar a dois impactos opostos: erosão do gelo costeiro mais perene e das plataformas de gelo, desestabilizando a camada de gelo; ou aumento do acúmulo perto da costa.

Derretimento de gelo na Antártida quebra recordes cada vez mais e preocupa especialistas (Imagem: Matt Palmer/Unsplash)
Derretimento de gelo na Antártida quebra recordes cada vez mais e preocupa especialistas (Imagem: Matt Palmer/Unsplash)
Foto: Canaltech

O NASA Earth Observatory afirma que os cientistas tentam compreender a causa do escasso crescimento do gelo marinho da Antárctida, mas menciona uma combinação de fatores como o El Niño, padrões de vento e o já citado aquecimento da temperatura dos oceanos.

Aparentemente, o calor do oceano desempenha um papel importante na desaceleração do crescimento do gelo na estação fria e no aumento do derretimento.

Recordes na temperatura do oceano

Isso coincide com o fato de que também há recordes no aquecimento dos mares. A alta temperatura do oceano atingiu a média global de 21,06 ºC em fevereiro deste ano, o que não é nada bom.

A nova média ultrapassou o recorde anterior, estabelecido em agosto de 2023, de 20,98 ºC. Como 2023 foi considerado como o ano mais quente dos últimos 100 mil anos, cabe uma reflexão sobre os caminhos que o planeta tem tomado. Questões como derretimento de gelo, aquecimento dos oceanos e onda de calor nunca estiveram tão urgentes.

Fonte: NASA Earth Observatory, NSIDC (1, 2)

Trending no Canaltech:

Canaltech
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade