4 eventos ao vivo

Índia reúne-se com WhatsApp para pedir rastreamento de notícias falsas, diz fonte

7 dez 2018
11h28
  • separator
  • 0
  • comentários

Autoridades do Ministério da Tecnologia da Índia se reuniram com executivos do WhatsApp nesta semana para pedir à unidade do Facebook que comece a rastrear as origens da desinformação disseminada em sua plataforma de mensagens, disse uma autoridade do governo nesta sexta-feira.

Logo do WhatsApp em impressão 3D em foto ilustrativa
17/09/2017 REUTERS/Dado Ruvic
Logo do WhatsApp em impressão 3D em foto ilustrativa 17/09/2017 REUTERS/Dado Ruvic
Foto: Dado Ruvic / Reuters

O WhatsApp vem trabalhando para coibir a circulação do que o ministro da tecnologia Ravi Shankar Prasad chamou de conteúdo "sinistro" na Índia, o maior mercado da empresa, com mais de 220 milhões de usuários.

Essa desinformação levou ao linchamento de mais de 30 pessoas desde janeiro do ano passado, de acordo com o portal de dados IndiaSpend, levando Prasad a pedir ao WhatsApp que rastreie suas origens. O WhatsApp se recusou anteriormente, citando problemas de segurança.

"Pedimos a eles rastreabilidade", disse a autoridade do Ministério de Eletrônica e Tecnologia da Informação, recusando-se a ser identificada como a reunião foi privada. "Eles (WhatsApp) não estão comprometidos com isso, mas estamos pressionando essa questão."

O WhatsApp disse que estava trabalhando em medidas para evitar a disseminação da desinformação, de acordo com a autoridade.

O aplicativo diz que permitir a rastreabilidade em seu serviço de mensagens prejudicaria sua natureza privada e a criptografia de ponta a ponta, criando potencial para uso indevido. A empresa também disse que não enfraquecerá a proteção de privacidade que fornece.

A empresa realizou treinamento em alfabetização digital para líderes comunitários e agentes da lei, além de recursos introduzidos em seu aplicativo, como limites no encaminhamento de mensagens e identificação de mensagens encaminhadas. O aplicativo também lançou campanhas publicitárias para conscientizar os usuários sobre os perigos da desinformação.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade