1 evento ao vivo

Fintech Olivia lança rede social dentro do app

A ferramenta é uma espécie de timeline anonima, onde o usuário pode postar conteúdos e interagir com outras publicações

24 jul 2020
18h14
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
A ferramenta já está disponível no app para Android, e deve chegar ao iOs, da Apple, na segunda quinzena de agosto 
A ferramenta já está disponível no app para Android, e deve chegar ao iOs, da Apple, na segunda quinzena de agosto
Foto: Olivia/Divulgação / Estadão

A fintech Olivia, que ajuda os usuários a controlar suas finanças com auxílio de inteligência artificial, lançou na última semana uma nova ferramenta dentro de seu aplicativo. Chamada Olivia Social, a interface tem a proposta de ser como uma rede social, onde usuários podem compartilhar, curtir e comentar informações sobre finanças e organização.

Segundo Lucas Moraes, cofundador da Olivia, o recurso surgiu durante o período de quarentena por conta do coronavírus, e foi uma demanda dos usuários, que estavam recorrendo mais ao atendimento para conversar sobre questões financeiras e em busca de uma interação humana no momento de crise.

"A gente sempre quis ajudar as pessoas a fazerem mais com o dinheiro delas. Especialmente durante a crise, os usuários começaram a nos procurar mais. Foi muito na linha de criar uma rede as pessoas pudessem se ajudar durante a crise e resolvemos criar a timeline", afirma Moraes, em entrevista ao Estadão. "A gente já queria fazer algo nesse sentido, então foi um caminho natural para conectar essa comunidade".

Dentro do app Olivia, criado em 2016, é possível encontrar a rede social no canto inferior. As publicações no feed são todas anônimas, para garantir que os usuários se sintam confortáveis com a plataforma, e o usuário pode escolher uma categoria de assunto, como finanças ou transporte, por exemplo, para identificar o conteúdo da mensagem.

Além disso, Moraes explica que existe uma moderação por parte da equipe da fintech e um algoritmo, que filtra comentários ofensivos e de desinformação financeira. A startup informa, também, que não será possível impulsionar publicações, como em outras redes sociais, onde um valor é pago para tornar o conteúdo mais visível.

"O algoritmo filtra desde recomendação de investimento de pessoas não registradas ou que não podem fazer esse tipo de orientação, até publicações com cupons de cashback, por exemplo. Tudo o que pode atrapalhar a experiência ou tem uma preocupação legal da nossa parte fica em avaliação".

A ferramenta chega pouco tempo depois do app alcançar a marca de 200 mil downloads no País, depois de ter sido lançado nos Estados Unidos e na Europa e ter recebido aporte de R$ 25 milhões liderado pelo Banco Votorantim.

Já disponível para celulares com sistema operacional Android, a novidade requer uma atualização do app na loja de aplicativos do smartphone. Para quem usa iPhone, a chegada do recurso está prevista para a segunda quinzena de agosto.

Veja também:

Huawei e Xiaomi desafiam Tesla no mercado automotivo
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade