2 eventos ao vivo

UE precisa de 10 vezes mais equipamentos contra coronavírus, diz documento interno

25 mar 2020
12h09
  • separator
  • 0
  • comentários

Os países da União Europeia precisam de 10 vezes mais equipamentos de proteção pessoal e outros aparelhos médicos para enfrentar o coronavírus, como ventiladores pulmonares, do que as cadeias de suprimento tradicionais podem oferecer, mostrou um documento interno da UE nesta quarta-feira.

Homem entrega frutas e vegetais de balsa para clientes durante quarententa por coronavírus em Veneza
25/03/2020
REUTERS/Manuel Silvestri
Homem entrega frutas e vegetais de balsa para clientes durante quarententa por coronavírus em Veneza 25/03/2020 REUTERS/Manuel Silvestri
Foto: Reuters

O bloco de 27 nações está correndo há semanas para obter equipamentos cruciais, como máscaras, ventiladores para pacientes com problemas respiratórios graves e outros produtos médicos, desde que a epidemia de coronavírus se espalhou para o continente no início deste ano.

Mas, apesar dos esforços, "a disponibilidade e suprimento de equipamentos de proteção pessoal e outros aparelhos médicos, em particular ventiladores, em toda a Europa, continua preocupante", disse a Comissão Europeia em um documento de 25 de março visto pela Reuters.

"Estimativas internas da Comissão mostram que o suprimento 'tradicional' só conseguirá atender cerca de 10% da demanda", disse o texto, dando uma cifra para a escassez de materiais essenciais para combater o vírus altamente contagioso pela primeira vez.

A falta de equipamento médico está expondo pessoas da área médica a riscos altos de contágio, o que por sua vez ameaça pacientes que poderiam ser infectados por médicos ou enfermeiras.

Na Itália e na Espanha, os dois países da UE mais afetados pelo surto até agora, mais de 5 mil pessoas da área médica já foram contaminadas, de acordo com números oficiais divulgados na terça-feira.

Isso coloca o número de casos entre profissionais da área médica em quase 9% do total de casos registrados na Itália e em mais de 13% na Espanha, embora os médicos sejam mais propensos a ser examinados do que a população geral.

O documento da Comissão disse que a maioria dos Estados da UE têm estoques limitados e capacidade idem para acelerar a produção de equipamento médico, o que os expõe a carências cada vez maiores se equipamentos essenciais não forem importados rapidamente.

Ainda na terça-feira, a Comissão disse que está perto de firmar acordos com fornecedores de máscaras, óculos, aventais e outros equipamentos quase um mês depois de iniciar um processo de aquisição conjunto em nome de 25 das 27 nações do bloco para obter os equipamentos de proteção.

A situação é agravada pelas restrições impostas por alguns membros da UE à exportação de equipamento médico de outros integrantes do bloco.

((Tradução Redação Rio de Janeiro; 55 21 2223-7128))

REUTERS PF

Veja também:

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade