3 eventos ao vivo

Tribunal de crimes de guerra condena congolês Ntaganda a 30 anos de prisão

7 nov 2019
10h57
  • separator
  • 0
  • comentários

O Tribunal Penal Internacional (TPI) condenou o ex-líder militar congolês Bosco Ntaganda a 30 anos de prisão, nesta quinta-feira, devido a atrocidades como assassinato, estupro e recrutamento de crianças-soldados.

Ex-líder militar congolês Bosco Ntaganda é condenado em tribunal de Haia
07/11/2019
Peter Dejong/Pool via REUTERS
Ex-líder militar congolês Bosco Ntaganda é condenado em tribunal de Haia 07/11/2019 Peter Dejong/Pool via REUTERS
Foto: Reuters

Em julho, Ntaganda, de 46 anos, foi considerado culpado de crimes de guerra e crimes contra a humanidade devido a atos cometidos quando era o chefe militar da milícia União de Patriotas Congoleses (UPC) no leste da República Democrática do Congo entre 2002 e 2003.

Nesta quinta-feira, durante o anúncio da sentença, o juiz Robert Fremr disse não haver circunstâncias atenuantes e emitiu a pena de 30 anos, a mais longa já imposta pela corte de Haia.

"Os crimes pelos quais o senhor Ntaganda foi condenado, apesar de sua gravidade e seu grau de culpabilidade, não justificam uma pena de prisão perpétua", disse Fremr.

Ntaganda já está apelando da condenação.

No conflito no Congo, a UPC, de Ntaganda, dominada pelo clã hema, visou expulsar o povo rival lendu da região de Ituri, rica em minerais. Centenas de civis foram mortos e muitos milhares mais foram forçados a fugir.

Durante o anúncio da sentença, Fremr disse que Ntaganda não somente é culpado por perseguição como crime contra a humanidade, mas que ainda assassinou pessoalmente um padre católico, dando um exemplo para seus soldados seguirem.

Também se descreveu o "estupro sistemático" de mulheres filiadas à UPC por parte de seus colegas militantes sob a liderança de Ntaganda, incluindo a violação de uma criança-soldado de não mais de nove anos de idade.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade