PUBLICIDADE

Teerã retoma orações de sexta-feira após quase dois anos

22 out 2021 12h12
ver comentários
Publicidade

As orações em massa de sexta-feira foram retomadas em Teerã após um período de 20 meses em que não for a realizadas devido à pandemia de Covid-19, noticiou a televisão estatal.

Iranianos retomam orações das sextas-feiras em Teerã
22/10/2021 Majid Asgaripour/WANA (West Asia News Agency) via REUTERS
Iranianos retomam orações das sextas-feiras em Teerã 22/10/2021 Majid Asgaripour/WANA (West Asia News Agency) via REUTERS
Foto: Reuters

Fiéis foram à Universidade de Teerã, um agrupamento de importância religiosa e política, apesar de as autoridades terem alertado para uma sexta onda de infecções. O coronavírus já tirou 124.928 vidas no Irã e contaminou mais de 5,8 milhões de pessoas.

No sábado, escolas com menos de 300 alunos também devem reabrir.

Também a partir de sábado, funcionários do governo, exceto das Forças Armadas, serão impedidos de trabalhar se não tiverem sido vacinados com ao menos uma dose, de acordo com uma circular governamental divulgada no início desta semana.

O governo diz que mais de 28,2 milhões de pessoas já receberam uma segunda dose de vacina contra Covid-19.

"Hoje é um dia muito doce para nós. Agradecemos ao Todo-Poderoso por nos devolver as orações de sexta-feira depois de um período de restrições e privação", disse Mohammad Javad Haj Ali Akbari, imã interino das orações de sexta-feira de Teerã que comandou os sermões.

Os fiéis tiveram que observar o distanciamento social e usar máscaras durante a cerimônia. Trata-se de um fórum no qual autoridades mostram uma frente unificada no sermão semanal, uma tarefa que gira em torno de membros graduados do establishment clerical conservador do Irã.

A maioria dos fiéis levou seu próprio tapete de oração e placas de argila usados durante a prostração, disse a emissora estatal.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade