PUBLICIDADE

Rússia diz que "está pronta" para negociar com Ucrânia

A afirmação vem depois do presidente ucraniano voltar a fazer um apelo para Putin sentar nas mesas de negociações

25 fev 2022 - 10h43
(atualizado às 11h19)
Ver comentários
Publicidade
Guerra na Ucrânia foi iniciada nesta quinta-feira
Guerra na Ucrânia foi iniciada nesta quinta-feira
Foto: EPA / Ansa - Brasil

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, "está pronto para enviar a Minsk uma delegação russa de alto nível com representantes dos ministérios da Defesa, das Relações Exteriores e da administração presidencial para negociações com uma delegação ucraniana", afirmou o porta-voz do Kremlin, Dimitri Peskov, à agência de notícias estatal Ria Novosti.

Minsk, que é a capital de Belarus, aliada do governo russo, já sediou as negociações de paz no primeiro conflito entre Moscou e Kiev em 2015.

Os Acordos de Minsk, tendo a versão II firmada em fevereiro daquele ano, teve como único ponto implementado o cessar-fogo nas áreas separatistas do Donbask - Lugansk e Donetsk. As demais cláusulas foram ignoradas quase que completamente por ambos os governos.

A afirmação vem poucas horas depois do presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, voltar a fazer um apelo para Putin sentar nas mesas de negociações e no momento que a capital ucraniana, Kiev, estar ficando cercada por tropas russas.

Os militares de Moscou já tomaram o aeroporto de Gostomel, que fica a apenas 30 quilômetros da cidade em uma batalha que teve "200 nacionalistas ucranianos destruídos", segundo o Ministério da Defesa russo.

O prefeito de Kiev, Vitali Klitschko, também informou que capital "entrou em uma fase defensiva" para tentar proteger Kiev das ações russas.

A Ucrânia está sob ataque russo desde as primeiras horas da quinta-feira (24), com dezenas de cidades sendo tomadas pelos invasores para além das áreas separatistas do Donbass, que foram reconhecidas como repúblicas independentes na terça-feira (22) por Moscou.

Os números de mortos são incertos, mas a Organização das Nações Unidas fala em 127 civis assassinados e o governo ucraniano diz que há 137 soldados "heróis" mortos.

Antes do dia 22, uma série de reuniões de alto nível entre a Rússia e países ocidentais fracassaram em evitar o conflito bélico. Por cerca de três meses, encontros de todos os tipos não conseguiram fazer com que os russos desistissem da guerra e os ocidentais anunciaram uma série de sanções contra Moscou.

Ansa - Brasil   
Publicidade
Publicidade