PUBLICIDADE

Reino Unido está apreensivo com variante do coronavírus da Índia, diz premiê

13 mai 2021 15h30
ver comentários
Publicidade

O Reino Unido teme a disseminação da variante do novo coronavírus detectada primeiramente na Índia, e não descarta nada no que diz respeito a readotar restrições locais, disse o primeiro-ministro, Boris Johnson, nesta quinta-feira.

Primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, no Parlamento em Londres
12/05/2021 Parlamento do Reino Unido/Jessica Taylor/Divulgação via REUTERS
Primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, no Parlamento em Londres 12/05/2021 Parlamento do Reino Unido/Jessica Taylor/Divulgação via REUTERS
Foto: Reuters

Johnson delineou uma rota de saída do lockdown "cautelosa, mas irreversível" para a Inglaterra, e a próxima etapa está planejada para a próxima semana. Ele alertou que novas variantes, como a B.1.617.2, ameaçam este plano.

"Estamos apreensivos com ela, ela está se disseminando", disse Johnson, acrescentando que haverá reuniões ainda nesta quinta-feira para debater o que fazer.

"Não estamos descartando nada", garantiu.

Houve uma disparada de casos da variante no noroeste da Inglaterra, e políticos locais pedem uma mudança de diretriz para que todo adulto da área possa receber uma vacina, mesmo que não cumpra os critérios que priorizam por faixa etária.

O conselho local da cidade de Blackburn disse que clínicas de vacinação contra Covid-19 adicionais serão abertas na semana que vem para acelerar a inoculação, mas negou reportagens segundo as quais vacinas estarão amplamente disponíveis para todas as pessoas acima de 18 anos da área, dizendo que a habilitação para se vacinar seguirá a diretriz atual.

Depois do lockdown de Covid-19 inicial da Inglaterra, Johnson buscou uma abordagem regional para restrições que acabou não funcionando, e mais dois lockdowns nacionais foram adotados.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade