PUBLICIDADE

Putin pede ajuda do Exército ao ver casos de Covid-19 dispararem

1 nov 2021 - 15h51
Ver comentários

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse nesta segunda-feira que seu país pode precisar da ajuda do Exército para construir hospitais de campanha para pacientes de Covid-19 agora que a Rússia enfrenta uma disparada de infecções que leva a uma interdição nacional de ambientes de trabalho.

Presidente da Rússia, Vladimir Putin, durante reunião em Sochi
01/11/2021 Sputnik/Evgeniy Paulin/Kremlin via REUTERS
Presidente da Rússia, Vladimir Putin, durante reunião em Sochi 01/11/2021 Sputnik/Evgeniy Paulin/Kremlin via REUTERS
Foto: Reuters

"A situação no país é muito difícil", disse Putin em comentários ao ministro da Defesa, Sergei Shoigu, e outros militares de alta patente. "Mais de 40 mil casos (por dia). Isto nunca aconteceu."

"Peço a vocês que... continuem a oferecer apoio ao serviço médico civil, se necessário. Talvez usar suas habilidades de construção, porque existe a necessidade de continuar construindo instalações médicas pré-fabricadas."

No mês passado, Putin ordenou uma interdição nacional de uma semana de ambientes de trabalho até 30 de outubro, que autoridades regionais poderiam prorrogar como achassem adequado.

A região de Novgorod, a noroeste de Moscou, tornou-se nesta segunda-feira a primeira a dizer que prorrogará a medida por uma segunda semana.

"Durante esta semana, endureceremos as exigências para vários ambientes de trabalho. Várias organizações serão fechadas", disse o governador regional Andrei Nikitin.

A capital Moscou impôs as medidas de lockdown mais rigorosas em mais de um ano, e só comércios essenciais, como farmácias e supermercados, têm permissão de permanecer abertos. Mas alguns pubs e outros negócios ignoram as restrições, e agências de viagem relatam um aumento no número de russos viajando para praias estrangeiras para escapar das limitações em casa.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade