0

Em 1 mês, Obama e Romney visitam 89 cidades em Estados-chave

6 nov 2012
08h27
atualizado às 08h39
LUÍS EDUARDO GOMES

Graças à peculiaridade da eleição indireta prevista pelo sistema eleitoral americano, a maior parte da campanha eleitoral se concentra nos chamados Swing States, Estados em que não é possível prever com exatidão quem receberá mais votos e, consequentemente, ganhará o maior número de cadeiras no Colégio Eleitoral - órgão que elege de fato o presidente da República. Para se ter uma ideia de quão concentrada é a campanha eleitoral, basta olhar quanto dinheiro de campanha é destinado para esses Estados e o tempo que os candidatos dedicaram a eventos de campanhas nestas unidades federativas nos últimos 30 dias.

O presidente Barack Obama, do Partido Democrata, e o republicano Mitt Romney disputam a eleição nos EUA
O presidente Barack Obama, do Partido Democrata, e o republicano Mitt Romney disputam a eleição nos EUA
Foto: AFP

Especiais
Entenda o funcionamento do processo eleitoral americano
Acompanhe as pesquisas nos Swing States, os Estados decisivos
Nesta eleição, o assunto é a economia; entenda


Especial traz reportagens dos bastiões democratas e republicanos
Veja como foram os debates presidenciais

Perfis dos candidatos
Barack Obama: do sonho do idealismo ao esforço do realismo
Romney e os republicanos: entre o favoritismo e o ceticismo

Até o momento, as campanhas do atual presidente Barack Obama, do Partido Democrata, e de seu principal adversário, o republicano Mitt Romney, gastaram US$ 733 milhões (cerca de R$ 1,49 bilhão) em anúncios de televisão. Segundo levantamento do jornal Washington Post, desse total, US$ 707 milhões (R$ 1,436 bilhão) foram gastos nos nove Estados onde a disputa foi considerada em aberto desde o início da campanha: Flórida, Ohio, Virgínia, Carolina do Norte, Wisconsin, Colorado, Iowa, Nevada e New Hampshire. Somados estes Estados contabilizam 110 votos dos 538 votos do Colégio Eleitoral.

Para efeito de comparação, nos três maiores Estados do país - Califórnia, Texas e Nova York, que somam 122 votos no Colégio Eleitoral -,o valor ficou muito aquém do US$ 1 milhão. Segundo o levantamento do Washington Post, nenhum centavo de dólar foi gasto pelos candidatos em anúncios na Califórnia ou Texas. Isso ocorre porque ambos são Estados historicamente identificados com um partido - a Califórnia é tida como democrata e o Texas como republicano -, o que leva as campanhas a acreditarem que é "inútil" investir dinheiro ali. Em New Hampshire, onde apenas 4 delegados estão em jogo, mas as pesquisas apontam vencedores distintos, foram gastos US$ 28 milhões - US$ 16 milhões pela campanha de Obama e US$ 12 milhões pela de Romney.

Viagens
A mesma concentração se reflete nas viagens feitas pelos candidatos nos últimos meses. Desde 6 de outubro, o presidente Obama participou de 33 eventos oficiais de campanha, todos eles nos chamados Swing States. Romney participou de 57. Com a exceção de um evento na Pensilvânia, onde Obama é favorito, mas a diferença apontada pelas pesquisas caiu no último mês, todas os outros foram realizados em um dos nove Estados-chave.

No último mês, o Estado mais visitado por ambos foi Ohio, para onde Obama voou dez vezes em seu avião particular e onde Romney esteve em 21 eventos diferentes. Este Estado do meio-oeste é considerado o mais cobiçado da corrida presidencial. Com 18 delegados em jogo - perdendo em número de delegados apenas para a Flórida (29) -, Ohio é considerado um tradicional fiel da balança das eleições americanas. Nenhum candidato republicano jamais se elegeu presidente sem vencer ali. John F. Kennedy (1960) e Franklin Roosevelt (1944) foram os únicos democratas a conseguir tal façanha desde a virada do século XX.

Para Obama, que tem o fardo de dividir as tarefas de presidente com as de candidato à reeleição, a campanha se acentuou nas últimas semanas - com uma interrupção para cuidar da resposta à tempestade Sandy. No domingo, ele começou o dia de campanha em Concord, New Hampshire, às 10h25. Posteriormente, ele participou de evento em Hollywood, na Flórida, às 14h50. Ele então seguiu para Cincinnati, Ohio, onde fez outra parada de campanha às 19h55. O atual presidente ainda teve pique para finalizar o dia em Denver, Colorado, em evento iniciado às 10h25. Um trajeto de mais de 6 mil km. Na segunda-feira, ele praticamente repetiu a dose, visitando Madison (Wisconsin), Columbus (Ohio) e Des Moines (Iowa).

Sem os afazeres de seu rival incumbente, Romney teve mais tempo para viajar pelos Estados-chave nos últimos 30 dias. Foram 57 paradas de campanha, sendo 21 delas em Ohio, 11 na Flórida e 9 na Virgínia, Estados que somados são responsáveis por 60 votos no Colégio Eleitoral. Nesta segunda-feira, ele esteve em Sanford, Flórida, às 9h. Posteriorment ele seguiu para Lynchburg, Virgínia, onde participou de evento às 12h35. Pouco depois, a parada foi em Columbus, Ohio - onde Obama participou de comício duas horas antes -, às 18h25. Ele finalizou o dia em Manchester, New Hampshire, às 22h.

Americanos vão às urnas
Os americanos escolhem nesta terça-feira seu presidente. O atual mandatário, o democrata Barack Obama, disputa a preferência dos eleitores com o republicano Mitt Romney. Diferente do Brasil, as eleições americanas são indiretas. O candidato mais votado em cada Estado leva todos os seus delegados. No fim, o candidato com maior número de delegados - e não de votos - sai vencedor. O Terra, maior empresa latino-americana de mídia digital, faz a cobertura completa das eleições presidenciais nos EUA e acompanha a apuração de votos em tempo real.

Fonte: Terra
publicidade