PUBLICIDADE

Merkel comemora avanço contra Covid-19, mas variante Delta preocupa

10 jun 2021 15h21
ver comentários
Publicidade

Uma diminuição recente no número de casos de coronavírus na Alemanha é gratificante, disse nesta quinta-feira a chanceler, Angela Merkel, alertando, no entanto, que a pandemia não acabou e que o risco da variante Delta, generalizada no Reino Unido, é preocupante.

Chanceler alemã, Angela Merkel, durante reunião com governadores de Estados do país em Berlim
10/06/2021 Michael Kappeler/Pool via REUTERS
Chanceler alemã, Angela Merkel, durante reunião com governadores de Estados do país em Berlim 10/06/2021 Michael Kappeler/Pool via REUTERS
Foto: Reuters

"O desenvolvimento em termos de números é extremamente gratificante", disse Merkel aos repórteres depois de conversar com líderes dos 16 Estados federais alemães.

"Mas não podemos esquecer que o coronavírus não desapareceu, e o que nos preocupa é a chamada variante Delta que se dissemina no Reino Unido", acrescentou.

Ela disse que as restrições de viagens impostas no Reino Unido e na Índia foram justificadas, porque a variante se prolifera rapidamente.

Em maio, a Alemanha declarou o Reino Unido e a Irlanda do Norte uma região da variante do vírus, exigindo que qualquer pessoa que entrasse no país vinda do solo britânico iniciasse uma quarentena de duas semanas ao chegar.

Atualmente, cerca de 2,5% dos casos positivos de coronavírus alemães estão ligados à variante Delta, disse Merkel.

A Alemanha está em uma corrida contra o vírus com vacinações, e é essencial maximizar a proteção contra a variante Delta com inoculações, disse ela.

Após um início lento, o ritmo das vacinações se acelerou no país --cerca de 47% dos cerca de 83 milhões de habitantes já receberam ao menos uma dose e 24% estão totalmente vacinados.

Merkel disse que as vacinações de reforço para pessoas mais velhas devem começar no outono.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade