PUBLICIDADE

Mundo

Italiana presa na Hungria vai a tribunal sem algemas e correntes

Ilaria Salis participou da terceira audiência de seu julgamento

24 mai 2024 - 07h15
(atualizado às 08h18)
Compartilhar
Exibir comentários

A ativista antifascista italiana Ilaria Salis compareceu nesta sexta-feira (24) ao tribunal de Budapeste, na Hungria, pela primeira vez sem algemas e correntes.

    A professora do ensino fundamental de Monza, de 39 anos, é acusada no país de envolvimento em um ataque a três neonazistas na capital húngara no ano passado.

    "Quero agradecer a todas as pessoas que me apoiaram", comentou Salis antes do início da terceira audiência do seu julgamento.

    A mulher foi libertada da prisão de segurança máxima, onde esteve durante mais de 15 meses, e foi transferida para uma residência para permanecer em prisão domiciliar. No entanto, o juiz Josef Szos revelou o endereço de Salis, o que causou protestos da família e dos representantes da italiana.

    "Há uma enorme proteção para a pessoa atacada, que é húngara, e depois é revelado o domicílio de Ilaria. É um sistema inaceitável, não me parece um julgamento justo", afirmou o pai de Salis, Roberto.

    Zoltan Toth primeira testemunha ouvida como parte lesada no julgamento contra a ativista, afirmou que não reconheceu Salis entre os seus agressores.

    O Ministério Público da Hungria pediu uma pena de 11 anos de detenção, mas o pai de Salis diz que a filha corre o risco de pegar até 24 anos de prisão sob a acusação de tentativa de homicídio. .

Ansa - Brasil   
Compartilhar
Publicidade
Publicidade