PUBLICIDADE

Itália não assinará pacto da ONU sobre migração

Governo disse que se pronunciará somente depois do Parlamento

28 nov 2018
12h12 atualizado às 12h14
0comentários
12h12 atualizado às 12h14
Publicidade

O governo da Itália afirmou nesta quarta-feira (28) que não assinará um pacto das Nações Unidas (ONU) sobre migração segura, o "Global Compact for Migration".

Bote inflável com migrantes no Canal da Sicília, no Mediterrâneo
Bote inflável com migrantes no Canal da Sicília, no Mediterrâneo
Foto: ANSA / Ansa - Brasil

O acordo intergovernamental deve ser ratificado mundialmente durante uma conferência em Marrakech, no Marrocos, entre 10 e 11 de dezembro, mas o primeiro-ministro Giuseppe Conte disse que não participará do evento nem se juntará ao tratado enquanto o Parlamento não se pronunciar.

"O Global Migration Compact é um documento que aborda temas importantes para os cidadãos. É oportuno, portanto, parlamentarizar o debate e condicionar escolhas definitivas ao êxito de tais discussões", afirmou.

O ministro do Interior Matteo Salvini, artífice do endurecimento das políticas migratórias da Itália, seguiu pela mesma linha. "Deve ser o plenário a discutir o assunto. O governo italiano deixará o Parlamento escolher", reforçou.

O "Global Compact for Migration" é resultado da Declaração de Nova York sobre Refugiados e Migrantes, aprovada pela Assembleia-Geral da ONU em setembro de 2016 e que se compromete em desenvolver um pacto para migração segura, ordenada e dentro da lei.

O processo para o desenvolvimento do tratado começou em abril de 2017 e foi finalizado em julho de 2018. O texto lista 23 princípios, como minimizar os "fatores adversos e estruturais que obriga as pessoas a abandonarem seu país de origem", "aumentar a disponibilidade e flexibilidade das vias de migração regular", "salvar vidas e empreender iniciativas internacionais coordenadas sobre migrantes desaparecidos" e "reforçar a resposta ao tráfico ilícito de migrantes".

Além disso, defende "utilizar a detenção de migrantes apenas como último recurso e buscar outras alternativas", "proporcionar aos migrantes acesso a serviços básicos", "eliminar todas as formas de discriminação" e "colaborar para facilitar o regresso e readmissão em condições de segurança".

Em janeiro, ainda antes da conclusão do texto, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, já havia anunciado sua saída do "Global Compact for Migration". Países como Austrália e Hungria, que têm rígidas políticas migratórias, também não o assinarão.

Desde que chegou ao Ministério do Interior, em junho, Salvini já fechou os portos italianos para navios de ONGs que operam no Mediterrâneo, aprovou um decreto que dificulta a concessão de proteção humanitária e cortou recursos para acolhimento de migrantes e refugiados.

Ansa - Brasil   
Publicidade
Publicidade