0

Hong Kong marca 6 meses de manifestações com novo protesto

Em aniversário do movimento, milhares de pessoas voltaram a tomar as ruas do território chinês para demonstrar insatisfação com o governo

8 dez 2019
11h07
atualizado às 12h17
  • separator
  • 0
  • comentários

Dezenas de milhares de manifestantes tomaram as ruas de Hong Kong neste domingo (8), em uma tentativa de demonstrar pacificamente para a líder do Executivo da cidade, Carrie Lam, e o governo de Pequim que o movimento permanecerá determinado até que suas demandas pró-democracia sejam atendidas.

Os manifestantes percorreram a ilha principal da cidade. A participação popular parece ser a maior em meses. Na próxima segunda-feira, o movimento mais amplo que vem sacudindo o território desde junho completa seis meses.

Foto: DW / Deutsche Welle

"Lute pela liberdade, fique com Hong Kong", cantaram os manifestantes, ecoando um dos slogans do movimento pró-democracia.

O protesto é organizado pela Frente Civil dos Direitos Humanos (CHRF), o movimento que esteve por trás de comícios anteriores no país. Essa é a primeira manifestação promovida pela organização que recebeu autorização da polícia desde agosto

O movimento pró-democracia de Hong Kong ganhou um novo impulso recentemente quando centenas de seus ativistas foram eleitos para compor conselhos distritais locais. A vitória foi encarada como um recado à líder de Hong Kong, Carrie Lam, e aos seus chefes políticos em Pequim, de que a população local continua a apoiar o movimento.

Mas Lam tem permanecido firme em sua oposição a novas concessões. Já a liderança chinesa em Pequim não sinalizou até agora que pretende trocar a líder do território, apesar de seus baixos índices de aprovação em Hong Kong.

Muitos dos participantes do protesto deste domingo expressaram raiva com a situação. "Não importa a forma como expressamos nossos pontos de vista, seja através de marchas pacíficas ou de eleições civilizadas, o governo não ouvirá", disse um manifestante de 50 anos. "Ela segue apenas ordens do Partido Comunista Chinês".

"Lutarei pela liberdade até morrer porque sou um cidadão de Hong Kong", disse June, uma mulher de 40 anos. "Hoje é sobre estar ao lado de Hong Kong e da comunidade internacional".

Os organizadores do protesto alertaram os líderes pró-Pequim da cidade de que esta pode ser a "última chance" de atender às suas demandas e acabar com a crise política que há seis meses envolve a região administrativa especial chinesa. "Esta é a última chance dada pelo povo a Carrie Lam", disse o líder da CHRF, Jimmy Sham.

As demandas incluem a implementação de mecanismos de democracia mais diretos e uma investigação independente sobre episódios de brutalidade policial na repressão aos protestos dos últimos meses.

Em um comunicado divulgado no sábado, o governo pediu calma e disse que "aprendeu sua lição e que ouvirá humildemente e aceitará críticas".

A polícia prendeu pelo menos 6.000 pessoas desde junho, quando tiveram o início os distúrbios políticos e sociais em Hong Kong. Os protestos não contam com uma liderança clara e são majoritariamente organizados online.

Ainda neste domingo, a polícia de Hong Kong prendeu 11 pessoas. Pelo menos uma foi detida por "porte de arma de fogo sem licença", marcando a primeira vez que as autoridades acusam manifestantes de portar armas de fogo ilegais.

A polícia ainda informou que os detidos são oito homens e três mulheres, entre 20 e 63 anos, e que todos supostamente fazem parte de um grupo procurado pelo lançamento de cocktails molotov contra agentes do distrito de Mong Kok, em 20 de outubro.

Em um comunicado divulgado no Facebook, a polícia afirmou que "recebeu informações que sugeriam que um participante de uma assembleia ilegal estava planejando atacar a polícia com armas".

Os protestos começaram em junho após a divulgação de uma proposta de lei que permitiria a extradição de suspeitos de crimes para a China continental. Embora o projeto tenha sido posteriormente engavetado, os protestos acabaram se tornando um movimento mais amplo contra o governo da cidade.

As manifestações chegaram a forçar o fechamento do governo local, empresas e escolas, na pior crise política da cidade em décadas.

Veja também

 

Deutsche Welle A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade