PUBLICIDADE

Mundo

Helicóptero com presidente do Irã sofre acidente; buscas estão em andamento

19 mai 2024 - 12h27
(atualizado às 20h12)
Compartilhar
Exibir comentários

Um helicóptero que transportava o presidente iraniano, Ebrahim Raisi, e seu ministro das Relações Exteriores se acidentou neste domingo enquanto atravessava uma área montanhosa sob forte neblina, disse uma autoridade iraniana à Reuters, e as equipes de resgate estavam com dificuldades para alcançar o local do incidente.

A autoridade disse que as vidas de Raisi e do ministro das Relações Exteriores do Irã, Hossein Amirabdollahian, estavam em risco após o acidente, que aconteceu no retorno de uma visita à fronteira com o Azerbaijão, no noroeste do Irã.

"Ainda temos esperança, mas as informações vindas do local da queda são muito preocupantes", disse a autoridade à Reuters, falando sob condição de anonimato.

Segundo a TV estatal, uma autoridade disse que pelo menos um passageiro e um tripulante estiveram em contato com socorristas. A emissora também disse que o helicóptero havia sido encontrado, embora o Crescente Vermelho do Irã tenha negado este relato.

O líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, que detém o poder máximo e a palavra final sobre a política externa e o programa nuclear do Irã, tentou tranquilizar os iranianos, dizendo que não haveria interrupção nos assuntos do Estado.

A mídia estatal iraniana disse que o mau tempo foi a causa do acidente e que isso estava dificultando os esforços de resgate. A agência de notícias estatal Irna disse que Raisi estava voando em um helicóptero Bell 212, produzido nos Estados Unidos.

O chefe do Estado-Maior do Exército iraniano ordenou que todos os recursos militares e da Guarda Revolucionária de elite fossem utilizados nas operações de busca e resgate.

Mais cedo, a emissora nacional interrompeu toda a sua programação regular para exibir orações sendo realizadas por Raisi em todo o país.

Nas primeiras horas da segunda-feira (no horário local), a TV mostrou membros da equipe de resgate, vestindo jaquetas luminosas e lanternas de cabeça, agrupados ao redor de um dispositivo GPS enquanto faziam buscas a pé em uma encosta montanhosa escura em meio a uma nevasca.

"Estamos vasculhando minuciosamente cada centímetro da área geral do acidente", disse um comandante regional do Exército, segundo a mídia estatal. "A área tem condições climáticas muito frias, chuvosas e nebulosas. A chuva está gradualmente se transformando em neve."

LINHA-DURA E POSSÍVEL SUCESSOR DE KHAMENEI

O acidente ocorre em um momento de crescente dissidência dentro do Irã diante de uma série de crises políticas, sociais e econômicas. Os governantes clericais do Irã enfrentam pressão internacional devido ao disputado programa nuclear de Teerã e seus laços militares cada vez mais profundos com a Rússia durante a guerra na Ucrânia.

Desde que o Hamas, aliado do Irã, atacou Israel em 7 de outubro, provocando o ataque de Israel a Gaza, conflitos envolvendo grupos alinhados ao Irã eclodiram em todo o Oriente Médio.

Raisi, de 63 anos, foi eleito presidente em 2021 e, desde que assumiu o cargo, ordenou um endurecimento das leis de moralidade, supervisionou uma repressão sangrenta aos protestos antigovernamentais e exerceu forte pressão em negociações nucleares com potências mundiais.

No sistema político do Irã, dividido entre o establishment clerical e o governo, é o mentor de Raisi, Khamenei, de 85 anos, líder supremo desde 1989, quem detém o poder de decisão sobre todas as principais políticas.

Por anos, muitos têm visto Raisi como um forte candidato a suceder Khamenei, que tem endossado as principais políticas de Raisi.

Raisi esteve na fronteira com o Azerbaijão neste domingo para inaugurar a barragem Qiz-Qalasi, um projeto conjunto. O presidente do Azerbaijão, Ilham Aliyev, que disse ter se despedido "amigavelmente" de Raisi mais cedo no dia, ofereceu assistência no resgate.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
Publicidade
Publicidade