PUBLICIDADE

Mundo

Guerra Israel x Hamas: veja os principais acontecimentos dos últimos dias

Conflito chega ao décimo dia, acumula quase 4 mil mortos e segue sem perspectiva de resolução

15 out 2023 - 23h25
(atualizado em 16/10/2023 às 00h14)
Compartilhar
Exibir comentários
Palestinos lamentam a destruição na Faixa de Gaza
Palestinos lamentam a destruição na Faixa de Gaza
Foto: Reuters

A guerra entre Israel e o Hamas chegou ao décimo dia neste domingo, 15, com um saldo de quase 4 mil mortos e mais de 10 mil feridos, entre israelenses e palestinos.   

A escalada do confronto foi marcada pelo acirramento da crise humanitária na Faixa de Gaza e os apelos das entidades de direitos humanos e da Organização das Nações Unidas (ONU) para a criação de um corredor humanitário, além do cessar-fogo. 

Enquanto o governo de Benjamin Netanyahu se prepara para uma invasão terrestre, o presidente dos Estados Unidos Joe Biden,alertou que qualquer ocupação israelense seria “um grande erro” e defendeu a criação de um corredor humanitário. “Estou confiante de que Israel agirá de acordo com as regras da guerra”, disse em entrevista a emissora CBS News.

Confira abaixo um resumo dos principais acontecimentos nos últimos dias do conflito entre Israel e o Hamas

Ataques de Israel e ordem de evacuação

Na quinta-feira, 12, o governo de Benjamin Netanyahu ordenou que mais de 1,1 milhão de palestinos deixassem o norte da Faixa de Gaza. O pedido provocou uma evacuação em massa  de palestinos rumo ao sul de Gaza, já que as fronteiras do território com Israel e o Egito seguem fechadas.  

Israel jogou panfletos no território ordenando evacuação da região, incluindo de hospitais, em até  24 horas. O prazo encerrado às 18h (horário de Brasília) de sexta-feira, 13. Cerca de 70 palestinos, que viajavam rumo ao sul de Gaza, morreram durante um bombardeio em Salah-al-Din. Palestinos acusam Israel de ter bombardeado o comboio, já os israelenses alegam que investigam a origem da explosão. 

A organização Médicos Sem Fronteiras (MSF), que coordena o Hospital Al Awda, no norte de Gaza, condenou o pedido e chamou a ação de "contínuo e indiscriminado derramamento de sangue".

‘Shota Nakama’ gravado: produtor musical é furtado em São Paulo e faz apelo nas redes sociais

Reunião do conselho de segurança da ONU

A reunião do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU), na sexta-feira, 13, terminou sem consenso sobre um texto fina sobre a guerra Israel x Hamas. O encontro foi convocado pelo Brasil, que presidirá por um mês o conselho, para discutir questões humanitárias, a necessidade da criação de um corredor humanitária ligando a Faixa de Gaza o Egito, além de possíveis resoluções para o conflito. A reunião foi presidida pelo ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira.

A proposta preliminar do governo brasileiro pede um imediato cessar-fogo, a liberação de todos os reféns e defende que todas as partes envolvidas no conflito permitam o acesso das Nações Unidas às regiões de conflito para ações humanitárias. 

Ameaça de invasão terrestre à Gaza

Desde sábado, 14, o mundo está em alerta com uma possível invasão terrestre de Gaza pelas  Forças de Defesa de Israel (IDF). Dezenas de soldados israelenses já estariam de prontidão, aguardando ordens para invadir o território palestino para destruir as principais lideranças políticas e militares do Hamas.

A  invasão será a maior operação terrestre de Israel desde que invadiu o Líbano em 2006 e corre o risco de prendar o país em um longo e sangrento combate urbano, em uma região tão densamente povoada como a Faixa de Gaza, povoada por mais de 2 milhões de palestinos, o que eleva também o risco de mais mortes entre civis palestinos. 

Segundo o New York Times, autoridades do governo israelense estariam cientes do risco de que os reféns levados pelo Hamas sejam executados durante a operação.

Ainda segundo a publicação, ainda não se sabe o que Israel pretende fazer com a Cidade de Gaza, que é também o reduto do Hamas. O primeiro-ministro de Israel Benjamin Netanyahu já declarou que o 'Hamas será varrido da face da Terra' e que 'cada membro do Hamas é um homem morto'. 

No domingo, a CBS exibiu trecho de entrevista com o presidente dos Estados Unidos. Joe Biden alertou que qualquer ocupação israelense seria “um grande erro” e defendeu a criação de um corredor humanitário. “Estou confiante de que Israel agirá de acordo com as regras da guerra”, disse.

Crimes de guerra e crise humanitária

Israel foi acusado de usar armas com fósforo branco, o que viola o Direito Humanitário Internacional, contra a Faixa de Gaza. O país negou. A substância é considerada uma arma incendiária e  não deve ser utilizada contra alvos militares localizados entre civis, o caso dos palestinos em Gaza. 

Ataques deliberados contra civis também poderiam ser considerados crimes de guerra, o que poderia enquadrar as ações do Hamas no sábado, 7, assim como o cerceamento da população de Gaza por Israel. 

A crise humanitária em Gaza se agrava a cada dia. Estima-se que ao menos mil palestinos ainda estejam soterrados sob os escombros, e sem possibilidade de ser resgatados devido aos intensos bombardeios. Além disso, ao menos quatro hospitais no norte de Gaza já pararam de funcionar como resultado dos danos provocados pelos bombardeios. 

"A evacuação forçada dos hospitais da Faixa de Gaza colocam as vidas de pacientes vulneráveis em risco imediato, equivalendo a uma sentença de morte para aqueles que precisam de cuidado intensivo e cirurgias. Evacuações forçadas de hospitais podem equivaler a violação da Lei Humanitária Internacional", disse a Organização Mundial da Saúde (OMS), em comunicado oficial.  

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, chamou as ordens de evacuação israelitas de uma “sentença de morte” para aqueles que recebem cuidados médicos. 

Protestos em apoio a palestinos e israelenses

Na sexta-feira, 13, diversos protestos em prol da Palestina foram realizados no mundo. Manifestantes saíram às ruas no Líbano, Jordânia, Afeganistão, Irã, Iêmen, Paquistão, Indonésia, Iraque, Índia, Sri Lanka, Bangladesh, Turquia, Síria e Japão. No dia seguinte, as manifestações pró-Palestina e contra a ofensiva de Israel na Faixa de Gaza foram realizadas também em países europeus como Inglaterra, Itália, Turquia, Alemanha, Escócia, entre outros.

Manifestações em solidariedade aos israelenses também foram realizadas em diferentes países. No Rio de Janeiro centenas de pessoas fizeram um ato em defesa de Israel, no domingo, 15. 

Mortos e feridos  

Desde o dia 7 de outubro, mais de 2.329 palestinos morreram e 9.714 ficaram feridos com os ataques israelenses à Faixa de Gaza. Do lado outro lado, a onda de ataques do Hamas matou 1.400 israelenses e feriu outros 3.400.  Ao menos 1 milhão de palestinos já fugiram de suas casas e buscam abrigo em outras partes de Gaza. Sem energia elétrica e com suprimento de combustível cortado, além dos bombardeios, hospitais e necrotérios do território palestino estão sobrecarregados e não têm mais onde armazenar os mortos. Um caminhão de sorteves chegou a ser utilizado para guardar corpos de vítimas da guerra. 

Brasileira desaparecida encontrada morta  

A brasileira Karla Stelzer Mendes, 42 anos, teve a morte confirmada na sexta-feira, 13.  O namorado de Karla, o israelense Gabriel Azulay, já havia sido encontrado morto. Os dois tinham ido à festa rave Supernova Universo Paralello Edition, que estava sendo realizada na região próxima à Faixa de Gaza. Todos na festa foram pegos de surpresa com o ataque do grupo palestino ao território israelense. Além de Karla, outros dois brasileiros morreram na ação: o gaúcho Ranani Glazer e a carioca Bruna Valeanu.

Relatos de moradores de Israel e Gaza  também ganharam destaque na imprensa. Em entrevista ao TerraTais Ilana Gaon Rolnik revelou que teve de "explicar para meu filho que ele não ia morrer”. Do lado palestino, 

Repatriação de brasileiros 

O quinto voo da operação Voltando em Paz, do Governo Federal, pousou no Aeroporto Internacional Tom Jobim (Galeão), no Rio de Janeiro, no início da madrugada deste domingo, 15. A aeronave da Força Aérea Brasileira (FAB) retirou mais 215 brasileiros da zona de conflito. Até o momento, 916 pessoas foram resgatadas. 

Do lado palestino, cerca de 30 brasileiros continua em Gaza que aguarda a abertura da passagem de Rafah, nas proximidades da fronteira com o Egito. O governo brasileiro  está de prontidão esperando a liberação fronteiriça para repatriar o grupo.  

Outros países envolvidos: Líbano e Egito 

Os últimos dias também foram de aumento da tensão regional. Na fronteira de Israel com o Líbano, houve novos e intensos combates entre soldados israelenses e membros da milícia Hezbollah, aumentando o temor de que o conflito possa envolver outros países. Ocorreram diversos tiroteios, segundo relato de Hugo Bechara, repórter da BBC na região.

Um homem de 40 anos foi morto em um ataque com mísseis guiados do Hezbollah na comunidade de Shtula, no norte do país, segundo os serviços de emergência israelenses.

O Irã, por sua vez, continuou a advertir Israel que, se o conflito em Gaza escalar, as forças armadas iranianas podem se envolver diretamente. "Se não cessarem as atrocidades em Gaza, o Irã não poderá ficar como simples observador", disse o ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano, Hossein Amirabdollahian, à TV Al Jazeera.

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Publicidade