PUBLICIDADE

Mundo

Guerra e medo perturbam candidata à Presidência da Rússia

27 nov 2023 - 10h13
Compartilhar
Exibir comentários

Yekaterina Duntsova, uma ex-jornalista que pretende se candidatar à Presidência da Rússia, disse que o Kremlin deve pôr fim ao conflito na Ucrânia, libertar os presos políticos e realizar uma grande reforma para impedir o deslizamento em direção a uma nova era de divisão de "arame farpado" entre o país e o Ocidente.

Quase 32 anos após a queda da União Soviética em 1991, que fomentou as esperanças de que a Rússia se tornaria uma democracia aberta, Duntsova, de 40 anos, disse que estava com medo ao falar com a Reuters em Moscou.

"O medo está presente, mas é consciente", disse Duntsova, que neste mês anunciou que deseja concorrer à Presidência na eleição de março de 2024.

"Qualquer pessoa sã que desse esse passo teria medo, mas o medo não deve vencer."

Ela disse que tinha que escolher suas palavras com cuidado, dadas as leis que podem ser usadas para processar aqueles que criticam o que o Kremlin chama de "operação militar especial", e que havia sido advertida sobre falar demais com correspondentes estrangeiros.

A ex-jornalista de televisão, que tem três filhos, recusou-se a usar a palavra "guerra" para descrever o conflito mais mortal na Europa desde a Segunda Guerra Mundial, devido à lei russa.

"Mais cedo ou mais tarde, todo conflito armado termina, e espero que termine o mais rápido possível", disse Duntsova.

"As pessoas estão muito cansadas do que está acontecendo. Mas esse cansaço não é expresso."

Ela se recusou a descrever como seria uma possível paz.

Espera-se que o presidente Vladimir Putin concorra na eleição de março e é certo que vencerá se o fizer.

Duntsova precisa coletar 300.000 assinaturas para poder se candidatar. A imprensa estatal russa a ignora.

Os políticos da oposição consideram a eleição como uma fachada de democracia que encobre o que eles consideram a ditadura corrupta da Rússia de Putin. Essas eleições, segundo eles, geralmente atraem candidatos fracos para dar a impressão de competição.

Os apoiadores de Putin rejeitam essa análise, apontando para pesquisas independentes que mostram que ele tem índices de aprovação acima de 80%. Eles dizem que Putin restaurou a ordem e parte da influência que a Rússia perdeu durante o caos do colapso soviético.

Quando lhe perguntaram o que achava de Putin, Duntsova riu nervosamente.

"Não penso em Putin", disse ela. "Quando na Europa e nos Estados Unidos dizem que a Rússia e os russos são Putin - isso não está certo. Não sou defensora da culpa coletiva", afirmou sobre a guerra.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
Publicidade
Publicidade