PUBLICIDADE

Mundo

Forças israelenses invadem cidade do sul de Gaza, hospitais ficam sobrecarregados

5 dez 2023 - 09h17
Compartilhar
Exibir comentários

As forças israelenses lançaram nesta terça-feira sua ofensiva contra a principal cidade do sul da Faixa de Gaza, onde os hospitais ficaram lotados de palestinos feridos e mortos.

No que parece ser o maior ataque terrestre desde o colapso da trégua na semana passada, os moradores disseram que os tanques israelenses entraram na parte leste de Khan Younis pela primeira vez, cruzando a cerca da fronteira israelense e avançando para o oeste.

Alguns deles assumiram posições dentro de Bani Suhaila, na periferia leste de Khan Younis, enquanto outros continuaram mais adiante e ficaram estacionados perto de um conjunto habitacional financiado pelo Catar, chamado Hamad City, disseram os moradores.

Os israelenses, que tomaram a metade norte de Gaza no mês passado antes de fazer uma pausa para a trégua de uma semana, dizem que agora estão estendendo sua campanha terrestre para o resto do enclave para cumprir seu objetivo de aniquilar os combatentes do Hamas.

"Estamos avançando para o segundo estágio agora. Uma segunda fase que será difícil do ponto de vista militar", disse o porta-voz do governo, Eylon Levy, aos repórteres.

Israel está aberto a um "feedback construtivo" sobre a redução dos danos aos civis, desde que o conselho seja consistente com seu objetivo de destruir o Hamas, afirmou ele.

No principal hospital de Khan Younis, o Nasser, os feridos chegavam de ambulância, carro, caminhão e carroça de burro, após o que os sobreviventes descreveram como um ataque que atingiu uma escola que estava sendo usada como abrigo para os deslocados.

Dentro de uma enfermaria, quase todos os centímetros do chão estavam ocupados pelos feridos, com os médicos correndo de paciente em paciente enquanto os parentes choravam.

Um médico carregou o pequeno corpo de um menino morto em um agasalho de corrida e o colocou em um canto, com os braços estendidos sobre o azulejo manchado de sangue. No chão, ao lado dele, cercados por bandagens descartadas e luvas de borracha, tinham um menino e uma menina feridos, com os membros emaranhados nos suportes que seguravam as gotas de soro em seus braços.

Duas meninas estavam sendo tratadas, ainda cobertas de poeira do desabamento da casa que havia soterrado sua família.

"Meus pais estão sob os escombros", soluçava uma delas. "Eu quero minha mãe, eu quero minha mãe, eu quero minha família."

Do lado de fora, homens carregavam cadáveres em panos brancos e ensanguentados para serem levados para os funerais. Cerca de uma dúzia de corpos jazia no chão. Cinco ou seis foram levados em um carrinho de motocicleta.

Aisha al-Raqb, uma mulher de 70 anos, disse que seu filho Iyad estava entre os mortos e estendeu uma mão manchada de sangue.

"Este é o sangue dele. Este é o seu precioso sangue. Que Alá tenha misericórdia de sua alma. Meu querido. Eu (quero) sentir o cheiro dele, sentir o cheiro dele, oh Deus, oh Deus", declarou ela.

O porta-voz do Ministério da Saúde de Gaza, Ashra al-Qidra, disse que pelo menos 43 cadáveres já haviam chegado ao hospital Nasser naquela manhã, e temia-se que dezenas de outros estivessem presos sob escombros ou em locais inseguros para que as ambulâncias pudessem recuperá-los.

"Os hospitais no sul da Faixa de Gaza estão em colapso total, não conseguem lidar com a quantidade e a situação dos ferimentos que chegam aos hospitais", disse ele.

Washington pediu a seu aliado Israel que faça mais para reduzir os danos aos civis na próxima fase da guerra de Gaza, que Israel lançou em represália a um ataque de 7 de outubro por combatentes do Hamas que invadiram cidades, matando 1.200 pessoas e fazendo 240 reféns, de acordo com contagem de Israel.

Desde então, o bombardeio sem precedentes de Israel na Faixa de Gaza expulsou 80% dos 2,3 milhões de habitantes de suas casas, a maioria se aglomerando nas áreas do sul, agora na linha de fogo.

De acordo com autoridades de saúde de Gaza consideradas confiáveis pelas Nações Unidas, mais de 15.800 pessoas foram confirmadas como mortas, com milhares de outras desaparecidas e podendo estar enterradas sob escombros.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
Publicidade
Publicidade