PUBLICIDADE

Excedente de mortes na Índia durante a pandemia chega a 4,9 milhões, mostra estudo

20 jul 2021 12h05
ver comentários
Publicidade

O excedente de mortes na Índia durante a pandemia de Covid-19 pode chegar a 4,9 milhões de pessoas, segundo um novo estudo que fornece mais evidências de que milhões a mais podem ter morrido por causa do coronavírus do que a contagem oficial.

Cremação de corpos de pessoas que morreram de Covid-19 em Nova Délhi
23/04/2021 REUTERS/Danish Siddiqui
Cremação de corpos de pessoas que morreram de Covid-19 em Nova Délhi 23/04/2021 REUTERS/Danish Siddiqui
Foto: Reuters

O relatório do Centro de Desenvolvimento Global, com sede em Washington, cujo co-autor, Arvind Subramanian, já foi o principal conselheiro econômico da Índia, inclui mortes de todas as causas desde o começo da pandemia até junho deste ano.

A contagem oficial da Índia de mais de 414 mil mortes é a terceira maior do mundo, atrás de Estados Unidos e Brasil, mas o estudo é mais um elemento às cobranças de especialistas por uma auditoria nacional rigorosa da quantidade de óbitos.

Um crescimento devastador de infecções em abril e maio, impulsionado em grande parte pela variante Delta, mais infecciosa e perigosa, sobrecarregou o sistema de saúde e matou pelo menos 170 mil pessoas apenas em maio, segundo dados oficiais.

"O que é tragicamente claro é que pessoas demais, em milhões mais do que em centenas de milhares, podem ter morrido", disse o relatório, estimando entre 3,4 milhões e 4,9 milhões o excedente de mortes durante a pandemia.

Mas o relatório não atribuiu todas as mortes excedentes à Covid-19.

"Nós focamos na mortalidade por todas as causas e estimamos o excedente de mortalidade em relação a uma base pré-pandemia, ajustando para a sazonalidade", disseram os autores.

O Ministério da Saúde da Índia não respondeu imediatamente ao pedido da Reuters por e-mail em busca de um comentário.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade