PUBLICIDADE

Ex-governador perdoa estuprador pois hímen estava intacto

Matt Bevin deu entrevista em uma rádio e explicou que os exames físicos não mostravam violação

21 dez 2019 17h21
ver comentários
Publicidade

O ex-governador do Kentucky, nos Estados Unidos, Matt Bevin defendeu durante uma entrevista em uma rádio, a decisão de perdoar um homem condenado por estuprar uma garota de 9 anos e continuar abusando sexualmente dela por dois anos sob a justificativa de que o hímen da vítima estava intacto.

Trump com o ex-governador de Kentucky, Matt Bevin, em comício em Lexington
Trump com o ex-governador de Kentucky, Matt Bevin, em comício em Lexington
Foto: EPA / Ansa

"Confie em mim, se você tiver sido repetidamente violado sexualmente quando criança por um adulto, haverá repercussões disso física e clinicamente, e não há evidências disso", disse ele. Durante seus últimos dias no cargo, Bevin emitiu 428 perdões e comutações de sentenças durante seus últimos dias no cargo, entre eles estava Micah Schoettle, 41 anos.

Em 14 de setembro de 2016, uma aluna do ensino médio relatou ter sido repetidamente agredida sexualmente por Schoettle a partir dos 9 anos de idade, segundo comunicado emitido pelo escritório do advogado da Commonwealth no momento do veredicto. Após investigação, Schoettle foi preso e condenado a 23 anos de prisão por estupro e outros delitos sexuais.

Durante a entrevista, o apresentador Terry Meiners questionou Bevin sobre sua decisão de perdoar Schoettle. Bevin disse que a falta de evidências físicas de estupro o motivou."Este homem foi condenado por algo que não há confirmação", disse Bevin. "Você não deve ser enviado para a prisão com base simplesmente na palavra e na palavra não corroborada de um único indivíduo, especialmente quando é possível verificar isso médica e fisicamente".

Após a afirmação, o médico-chefe aposentado do Kentucky, George Nichols, disse ao Louisville Courier-Journal que Bevin "não apenas não conhece a lei, como também não conhece medicina e anatomia".

Segundo o médico, o "estupro não é provado pela penetração do hímen". Nichols foi responsável pela criação do sistema de avaliação de abuso infantil no Hospital Infantil Norton, antigo Hospital Infantil Kosair, em Louisville.

Veja também:

"Se eu não tiver a cabeça no lugar, alopro", diz Bolsonaro sobre caso Flávio:
Estadão
Publicidade
Publicidade