PUBLICIDADE

Mundo

EUA pedem a Israel que evite deslocamentos de civis em qualquer ofensiva no sul de Gaza

28 nov 2023 - 08h05
Compartilhar
Exibir comentários

Os Estados Unidos estão pedindo a Israel que tome mais cuidado para proteger os civis e limitar os danos à infraestrutura caso lance uma ofensiva no sul de Gaza, para evitar mais deslocamentos que sobrecarregariam os esforços humanitários, disseram autoridades graduadas dos EUA.

A ofensiva israelense no norte de Gaza tem se mostrado devastadora, com milhares de palestinos mortos e um grande número de sobreviventes desabrigados e forçados a fugir para o sul devido a uma campanha de bombardeio implacável e à falta de itens essenciais, como alimentos, energia e água.

À medida que Israel começa a olhar para o sul de Gaza para continuar a combater os militantes do Hamas após uma pausa nos combates para libertar reféns, as autoridades dos EUA disseram que têm conversado com os israelenses sobre a necessidade de tomar mais cuidado no sul, onde agora há cerca de 2 milhões de pessoas.

A mensagem foi transmitida pelo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disseram as autoridades aos repórteres em uma teleconferência.

"Reforçamos isso em uma linguagem muito clara com o governo de Israel -- é muito importante que a condução da campanha israelense, quando for para o sul, seja feita de uma forma que não seja, ao máximo, projetada para produzir um deslocamento adicional significativo de pessoas", disse uma autoridade.

"Não se pode ter o tipo de escala de deslocamento que ocorreu no norte replicado no sul. Isso será mais do que perturbador, estará além da capacidade de qualquer rede de apoio humanitário", disse o funcionário, acrescentando: "Isso não pode acontecer."

O funcionário disse que a campanha precisava ser "desconfigurada" em relação à energia, água, locais humanitários e hospitais no sul e no centro de Gaza, o que significa evitar ataques a esses tipos de locais de infraestrutura.

Ele disse que os israelenses foram receptivos à noção "de que um tipo diferente de campanha deve ser conduzido no sul".

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, descreveu na segunda-feira uma trégua prolongada entre Israel e os militantes palestinos do Hamas como "um vislumbre de esperança e humanidade", mas advertiu que ela não duraria tempo suficiente para atender às necessidades de ajuda da Faixa de Gaza.

O Catar, que mediu a paralisação do conflito, disse na segunda-feira que a trégua inicial de quatro dias foi estendida por dois dias, dando continuidade a uma pausa na guerra de sete semanas que matou milhares de pessoas e devastou o enclave palestino.

Uma segunda autoridade dos EUA disse que Washington gostaria de ver a pausa humanitária estendida pelo maior tempo possível.

A autoridade disse que o primeiro dos três voos de ajuda humanitária conduzidos pelo Exército dos EUA aterrissaria no norte do Sinai na terça-feira, levando suprimentos extremamente necessários para Gaza, com mais dois planejados para os próximos dias.

Os voos trariam itens médicos, ajuda alimentar e itens de inverno que seriam entregues pela ONU.

As autoridades disseram que as entregas de ajuda a Gaza estavam sendo feitas atualmente em cerca de 240 caminhões por dia, mas isso não era nem de longe suficiente para atender às necessidades.

Eles disseram que o esforço precisaria recorrer a contratos comerciais para aumentar as entregas para 400 caminhões por dia e que os EUA estavam discutindo isso com Israel.

"Para obter esse volume de assistência, os procedimentos de inspeção precisarão ser aumentados e aprimorados e será necessário recorrer a contratos comerciais dentro de Gaza para atender aos caminhões que chegam do Egito", disse o primeiro funcionário.

"Esperamos que, após o término dessa pausa, essa possa ser a fase dois do programa humanitário", disse ele.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
Publicidade
Publicidade