PUBLICIDADE

EUA: médicos querem acabar com lei que proíbe doação de sangue de gays

Associação Médica Americana (AMA) considera que a proibição é discriminatória e não se baseia em princípios científicos sólidos

21 jun 2013 18h25
| atualizado às 20h09
ver comentários
Publicidade

Uma organização profissional que reúne mais de 800 mil médicos nos Estados Unidos fez um apelo pelo fim da proibição aos homossexuais que queiram doar sangue. A Associação Médica Americana (AMA) considera que a proibição "não se baseia em princípios científicos sólidos".

"A proibição de que os homens que mantêm relações sexuais com homens doem sangue é discriminatória e não se baseia em princípios científicos sólidos", disse William Kobler, membro do conselho diretor da AMA, reunida esta semana em sua conferência anual em Chicago (Illinois, norte).

A AMA exige uma mudança das regras federais para garantir que a proibição de doar sangue se baseie no nível individual de risco dos potenciais doadores e não somente em sua orientação sexual, acrescentou.

Essa proibição de doar sangue a qualquer homem que tenha tido relações sexuais com outro homem desde 1977 entrou em vigor nos Estados Unidos em 1983, em resposta à explosão no número de pacientes com Aids.

A Cruz Vermelha americana, os centros de doação de sangue e a AABB (American Association of Blood Banks), uma associação profissional internacional de transfusão de sangue, já haviam feito um apelo nesse sentido em 2010. Essas organizações queriam que a proibição de doar sangue fosse substituída por uma carência de 12 meses entre uma relação sexual de dois homens e a doação.

Esse período evitaria a possibilidade de contágio de doadores que tivessem tido relações sexuais com pessoas infectadas com o vírus HIV, ou pacientes com hepatite B.

A agência americana reguladora do setor de remédios e alimentos FDA (na sigla em inglês) indicou em sua página na internet que ainda está analisando o tema e que vai considerar uma mudança de política, se os novos enfoques para a seleção de doadores "puderem garantir que os beneficiários não têm um risco maior de infecção por HIV ou outras doenças transmissíveis de risco".

AFP Todos os direitos de reprodução e representação reservados. 
Publicidade
Publicidade