0

'Caso Ucrânia' faz primeira vítima na Casa Branca

Enviado de Trump ao país europeu entregou o cargo

28 set 2019
10h17
atualizado às 10h40
  • separator
  • 0
  • comentários

O 'caso Ucrânia', que motivou a abertura de um processo de impeachment contra o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, fez sua primeira vítima na Casa Branca.

Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump 
25/09/2019
REUTERS/Jonathan Ernst
Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump 25/09/2019 REUTERS/Jonathan Ernst
Foto: Reuters

Kurt Volker, enviado americano ao país europeu, entregou o cargo nesta sexta-feira (27), um dia após a divulgação da denúncia contra Trump feita por um analista da Agência Central de Inteligência (CIA).

Volker não explicou o motivo de sua renúncia, mas o jornal The New York Times, citando uma "pessoa informada sobre a decisão", disse que o enviado concluíra que seria impossível exercer a função após as novidades dos últimos dias.

Segundo a denúncia do analista da CIA, Volker facilitou contatos entre o advogado pessoal de Trump, Rudy Giuliani, e a equipe do novo presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky. Um dia após o controverso telefonema de 25 de julho entre Trump e Zelensky, Volker teria visitado Kiev e instruído os líderes ucranianos sobre como "navegar" nas demandas do presidente americano.

Naquela conversa, Trump pediu para Zelensky investigar um caso relacionado a Joe Biden, pré-candidato democrata à Presidência dos EUA e cujo filho, Hunter, era conselheiro de uma empresa de gás na Ucrânia. No entanto, de acordo com a mesma denúncia, o próprio Volker agiu para tentar "conter os danos" que Giuliani estaria causando à segurança nacional dos Estados Unidos. Volker não havia comentado o caso, mas o advogado de Trump veio a público e disse que agira a pedido do enviado à Ucrânia.

A acusação do analista da CIA motivou a abertura de um processo de impeachment contra Trump no Congresso. O presidente é suspeito de abusar do poder do cargo para pedir a um país estrangeiro que investigasse um adversário político.

O inquérito será conduzido pela Câmara dos Representantes, controlada pelo Partido Democrata, de oposição, mas o julgamento cabe ao Senado, de maioria republicana.

Ansa - Brasil   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade