0

Em meio a abstenção recorde, Hidalgo é reeleita em Paris

'Onda verde' se espalhou nas eleições e impôs derrota a Macron

29 jun 2020
08h26
atualizado às 08h32
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Com cerca de 50% dos votos, a prefeita de Paris, Anne Hidalgo, foi reeleita para o cargo neste domingo (28). O segundo turno deveria ter ocorrido em março, mas foi adiado para este domingo por conta da pandemia do novo coronavírus (Sars-CoV-2).

Hidalgo foi reeleita prefeita de Paris com cerca de 50% dos votos
Hidalgo foi reeleita prefeita de Paris com cerca de 50% dos votos
Foto: EPA / Ansa - Brasil

A candidata socialista derrotou Rachida Dati, que obteve menos de 30% dos votos, do Os Republicanos, e Agnès Buzyn, do partido do presidente Emmanuel Macron, A República em Marcha (LREM).

"Os parisienses elegeram a esperança. Elegeram uma Paris que respira, mais agradável para viver, mais solidária porque não deixa ninguém de lado", disse a política de 61 anos, que ficará mais seis à frente do comando da Cidade Luz.

Além de ser reeleita por seu trabalho, Hidalgo também se beneficiou da chamada "onda verde" que foi vista no segundo turno dessas eleições. A agenda da prefeita é completamente compromissada com a sustentabilidade e, aparentemente, é o caminho que a maior parte dos franceses quer seguir.

Os Verdes franceses conquistaram duas das mais importantes cidades na disputa, Lyon e Marselha, impondo uma forte derrota aos políticos ligados à sigla de Macron. Eles ainda lideram as urnas em Bordeaux. Também as cidades consideradas de porte médio tiveram a eleição de prefeitos ecologistas e, com os resultados, eles se tornaram a principal força da esquerda na França.

O partido de Macron, criado em 2017, foi relegado para o controle das cidades menores onde apesar de ter uma vertente de partido de centro, foi considerado o melhor candidato de direita pelos moradores locais.

A única exceção para o LREM foi Le Havre, onde o primeiro-ministro, Édouard Philippe, conseguiu vencer nas urnas.

Na França, há a autorização para que o vencedor nomeie um representante para comandar a cidade enquanto mantém seu cargo no governo federal.

- Abstenção recorde: Seja por conta da pandemia de Covid-19 ou pelo desinteresse político, as eleições desse domingo bateram o recorde de abstenção, com uma afluência de apenas 40%. Isso significa que seis em cada 10 eleitores optaram por não manifestar seu voto.

Segundo fontes ligadas ao presidente, esse foi um dos principais fatores para o desempenho tão ruim do partido.

Veja também:

China responderá a sanções dos EUA
Ansa - Brasil   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade