0

Rebeldes e jihadistas assinam acordo de trégua na Síria

Insurgentes, islâmicos ou moderados, assinaram um acordo de cessar-fogo no sul de Damasco, onde ambos os adversários estão presentes

12 set 2014
10h51
atualizado às 10h51
  • separator
  • 0
  • comentários

Rebeldes sírios e os jihadistas do Estado Islâmico (EI) assinaram um acordo no sul de Damasco, o primeiro do tipo desde o início das hostilidades entre os dois grupos no início do ano.

<p>"Jihadistas se refugiaram em Hajar al-Aswad, onde têm uma presença forte", informou o OSDH</p>
"Jihadistas se refugiaram em Hajar al-Aswad, onde têm uma presença forte", informou o OSDH
Foto: Militant Website / Reuters

Os insurgentes, islâmicos ou moderados, assinaram um acordo de cessar-fogo em Hajar al-Aswad, na periferia sul da capital, onde ambos os adversários estão presentes, informou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

Segundo os termos do acordo, "as duas partes devem respeitar uma trégua até que seja encontrada uma solução definitiva, e prometem não se atacar, porque acreditam que o inimigo principal é o regime nussaïri", termo depreciativo para designar os alauítas, grupo étnico-religioso ao qual pertence o chefe de Estado Bashar al-Assad.

Após seguidas derrotas no norte e especialmente no leste da Síria, e depois de uma ofensiva lançada em julho, os rebeldes haviam conseguido expulsar os combatentes do EI de quatro de seus redutos no sudeste Damasco, Mesraba e Maydaa no Ghuta oriental e Yalda e Beit Sahem.

"Os jihadistas se refugiaram em Hajar al-Aswad, onde têm uma presença forte", informou o OSDH.

Segundo a ONU, mais de 191 mil pessoas morreram desde o início da guerra na Síria, que começou em março de 2011 com um protesto pacífico que degenerou em levante armado após a repressão por parte do regime. Desde então, ganhou contornos mais complexos, com os rebeldes combatendo tanto o regime quanto o EI.

Entenda os conflitos na Síria Entenda os conflitos na Síria: Confrontos começaram em março de 2011, se transformaram em guerra civil e já fizeram milhares de mortos e outros milhões de refugiados

AFP Todos os direitos de reprodução e representação reservados. 
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade