0

Oposição na Síria apoia o plano americano contra jihadistas

A Coalizão Nacional Síria pediu que os EUA realize ações contra o regime de Assad

11 set 2014
08h16
atualizado às 08h16
  • separator
  • comentários

A Coalizão Nacional Síria, que coordena a oposição, elogiou o plano dos Estados Unidos que contempla ataques aéreos contra os jihadistas do Estado Islâmico (EI) no país, ao mesmo tempo que pediu ações contra o regime de Bashar al-Assad.

<p>Obama faz discurso na TV sobra ações contra o Estado Islâmico</p>
Obama faz discurso na TV sobra ações contra o Estado Islâmico
Foto: Saul Loeb / Reuters

Em um comunicado, o grupo afirma apoiar a estratégia anunciada na quarta-feira à noite pelo presidente Barack Obama, mas adverte que para ter uma "região estável e sem extremistas" é necessário "derrubar o regime repressivo de Assad".

Obama anunciou na quarta-feira uma campanha "implacável" contra o EI e disse estar pronto para ataques aéreos contra as posições do grupo extremista na Síria, assim como para treinar e armar os grupos opositores sírios.

A coalizão de oposição afirma que pediu "durante muito tempo esta ação" e advertiu sobre "a ameaça representada pelo grupo extremista".

Mas também afirma que é necessário"entender que o regime de Assad representa a principal causa da violência, brutalidade e sensação de impunidade que prevalece na Síria".

O governo sírio tenta apresentar-se como um aliado na luta contra os jihadistas, incluindo o EI. Mas insiste que qualquer ação militar em seu território deve acontecer em coordenação com o regime.

Arábia Saudita receberá treinamento a pedido dos EUA
A Arábia Saudita aceitou o pedido dos EUA para atuar como base de operações na campanha para treinar e equipar combatentes moderados da oposição síria na luta contra o Estado Islâmico (EI), informaram nesta quarta-feira fontes oficiais americanas.

Longe de realizar esse treino no conturbado território sírio ou na Jordânia, onde a CIA já assessorou rebeldes de forma encoberta, a nova operação se desenvolveria na Arábia Saudita, um aliado-chave dos EUA na ofensiva diplomática contra o regime de Bashar al Assad e no apoio à oposição síria.

"Temos o compromisso da Arábia Saudita para ser um aliado completo para nós neste plano, incluído como anfitrião desse programa de treinamento", assinalou aos jornalistas uma alta funcionária americana que pediu o anonimato.

"Isto não incluiria a equipe americana na Síria, tudo aconteceria na Arábia Saudita", acrescentou a fonte.

Obama ligou hoje para o rei saudita, Abdullah bin Abdul Aziz, que respaldou o plano de treinar os rebeldes sírios na luta contra o EI, que se infiltrou na guerra civil síria para expandir seu controle territorial aproveitando o caos bélico.

"O presidente e o rei concordaram com a necessidade de aumentar o treinamento e em equipar a oposição moderada síria, de forma consistente com a proposta que o presidente Obama fez ao Congresso americano", indicou a Casa Branca em comunicado.

A Arábia Saudita proporcionou ajuda letal aos rebeldes sírios e há dois anos pede que os Estados Unidos façam o mesmo, o que só havia acontecido até agora através da CIA, que assessorou e dotou os rebeldes de armamento leve.

"Parte da razão pela qual não proporcionamos armas antes é porque temíamos que caíssem em mãos de gente como o EI, mas agora já temos uma relação de dois anos com a oposição síria e estamos mais seguros de nossas opções", indicou outro alto funcionário.

O secretário de Estado dos EUA, John Kerry, chegará nesta quinta-feira à Arábia Saudita para se reunir em Jidá com representantes sauditas e de Kuwait, Emirados Árabes Unidos (EAU), Bahrein, Omã, Catar, Jordânia, Egito e Turquia, para dar forma à coalizão internacional contra o EI.

Entenda os conflitos na Síria Entenda os conflitos na Síria: Confrontos começaram em março de 2011, se transformaram em guerra civil e já fizeram milhares de mortos e outros milhões de refugiados

AFP Todos os direitos de reprodução e representação reservados. 

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade