PUBLICIDADE

Mundo

Corpos dos tripulantes do submarino que implodiu não devem ser recuperados

Destroços do submersível da OceanGate foram encontrados no fundo do Oceano Atlântico, na quinta-feira, 22

23 jun 2023 - 15h15
(atualizado às 15h16)
Compartilhar
Exibir comentários
Da esquerda para direita: Suleiman Dawood, Shahzada Dawood, Hamish Harding, Paul-Henry Nargeolet  e o CEO da Ocean Gate, Stockton Rush
Da esquerda para direita: Suleiman Dawood, Shahzada Dawood, Hamish Harding, Paul-Henry Nargeolet e o CEO da Ocean Gate, Stockton Rush
Foto: Reprodução/Reuters/Montagem

Os corpos dos cinco tripulantes a bordo do sumbersível Titan, que implodiu durante expedição até os destroços do Titanic, no fundo do Oceano Atlântico, não devem ser recuperados. 

As autoridades da Guarda Costeira norte-americana não tem perspectivas para encontrar os restos mortais dos tripulantes: o bilionário britânico Hamish Harding, 58, o empresário paquistanês Shahzada Dawood, 49, e seu filho Suleiman Dawood,19, Paul-Henri Nargeolet, 73, especialista nos destroços do Titanic e mergulhador, e Stockton Rush, 61, CEO da OceanGate Expeditions.

“Este é um ambiente incrivelmente implacável, lá no leito do fundo do mar, e os destroços são consistentes com uma implosão catastrófica da embarcação. Continuaremos a trabalhar e a pesquisar a área lá embaixo em busca dos destroços", disse o contra-almirante John Mauger disse, durante a coletiva de imprensa, na quinta-feira, 22.

Os destroços do  Titan estão a 487 metros da proa do Titanic a 3.800 metros de profundidade. Nessa profundidade,  a pressão da coluna d’água é muito forte e arriscada para mergulhadores, a luz do sol não chega até lá, ou seja, há pouca visibilidade, tornando as condições de resgate complexas.  

'Implosão catastrógica'

As autoridades acreditam que o Titan sofreu uma implosão catastrófica enquanto realizava a expedição. Ao menos cinco partes do submarino foram encontradas, incluindo a tampa traseira e parte frontal da estrutura.  O submarino perdeu contato a 1h45 minutos após iniciar a sua descida ao local onde o Titanic repousa, no domingo, 18.

Segundo especialistas ouvidos pela Reuters,  explicam o porquê a principal hipótese é de implosão.  A maioria, se não todos, os submersíveis e submarinos que operam em grande profundidade possuem um vaso de pressão feito de um único material metálico com alto limite de escoamento.

Geralmente o aço é usado para profundidades relativamente rasas (aproximadamente menos de 300m) e o titânio para profundidades mais profundas. Um vaso de pressão de titânio ou aço grosso geralmente tem uma forma esférica que pode suportar as pressões de esmagamento que você pode esperar a 3.800m - a profundidade em que os destroços do Titanic estão.

O Titan, no entanto, era diferente. O seu vaso de pressão era feito de uma combinação de titânio e fibra de carbono composta. O que é incomum do ponto de vista da engenharia estrutural, pois, em um contexto de mergulho profundo, o titânio e a fibra de carbono são materiais com propriedades muito diferentes.

O titânio é elástico e pode se adaptar a uma ampla gama de tensões sem qualquer deformação permanente mensurável remanescente após o retorno à pressão atmosférica. Ele encolhe para se ajustar às forças de pressão e se expande novamente à medida que essas forças são aliviadas.

Um composto de fibra de carbono, por outro lado, é muito mais rígido e não tem o mesmo tipo de elasticidade. É possível apenas especular sobre o que aconteceu com a combinação dessas duas tecnologias, que não se comportam dinamicamente da mesma forma sob pressão.

Os especialistas acreditam que houve perda de integridade devido às diferenças entre esses materiais. Isso teria criado um defeito que desencadeou uma implosão instantânea devido à pressão subaquática. Em menos de um segundo, a embarcação – sendo empurrada para baixo pelo peso de uma coluna de água de 3.800 metros – teria desmoronado imediatamente por todos os lados.  

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Publicidade