0

Como uma epidemia no Haiti ajudou os Estados Unidos a se tornarem uma potência

No início do século 19, uma epidemia de febre amarela fez estrago no Haiti e provocou mudanças geopolíticas que duram até hoje.

28 jun 2020
18h33
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
A revolta dos escravos haitianos deu início a eventos que alteraram para sempre a geopolítica mundial
A revolta dos escravos haitianos deu início a eventos que alteraram para sempre a geopolítica mundial
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Foi uma epidemia cujos efeitos mudaram a geopolítica mundial por muitos séculos.

No final de 1801, Napoleão Bonaparte enviou ao Haiti uma das maiores frotas marítimas já mobilizadas pela Armada francesa e suas forças acabaram sucumbindo a um mosquito.

Milhares de soldados franceses morreram vítimas de maior epidemia de febre amarela registrada no Caribe em 300 anos.

Assim naufragaram os planos de Bonaparte para as Índias Ocidentais, como eram chamadas as ilhas do Caribe, dos quais o Haiti era peça central.

Seu fracasso criou condições para a consolidação de uma pujante mas jovem nação, os Estados Unidos, cuja ascensão transformaria o jogo de forças internacional nos séculos seguintes.

Mas de onde vinha o interesse de Bonaparte pelo Haiti?

Um império de açúcar e café

Depois de se estabelecer no início do século 17 de maneira informal na parte ocidental da Espanhola, como era conhecida a ilha onde hoje ficam o Haiti e a República Dominicana, a França conseguiu fazer a coroa espanhola lhe ceder formalmente um terço da ilha em 1697 com o Tratado de Rijswijk.

Mais de 700 barcos atracavam em Santo Domingo para exportar seus produtos, principalmente café e açúcar
Mais de 700 barcos atracavam em Santo Domingo para exportar seus produtos, principalmente café e açúcar
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Batizada então de Saint-Domingue, ou São Domingos, logo se tornou a posse mais próspera da França em todo o Novo Mundo, graças à sua produção de açúcar e café, da qual a França era o principal exportador para a Europa e, em menor grau, cacau e índigo.

No início da década de 1780, mais de 700 navios atracavam lá todos os anos para carregar produtos dessa colônia, que naquela época representavam dois terços dos investimentos franceses no exterior.

Toda essa prosperidade, no entanto, foi construída com base no uso maciço e brutal da força de trabalho escrava africana.

Esses escravos ficavam presos num círculo vicioso porque os proprietários não se dedicavam a cuidar deles, convencidos de que não valia a pena gastar devido à alta taxa de mortalidade entre eles.

Como consequência, metade dos escravos morreu durante o primeiro ano no Haiti devido às duras condições de vida.

A cada ano dezenas de milhares de seres humanos eram trazidos, o que, por sua vez, transformou o comércio de escravos em um negócio lucrativo.

Socialmente, São Domingos era uma bomba-relógio com várias classes que se odiavam e se temiam. Como o historiador francês Paul Fregosi descreveu:

"Brancos, mulatos e negros se odiavam. Os brancos pobres não toleravam brancos ricos; os brancos ricos desprezavam os brancos pobres; os brancos de classe média tinham inveja dos brancos aristocráticos; os brancos nascidos na França menosprezavam os brancos locais. Os mestiços não gostavam dos brancos, repudiavam os negros e eram desprezados pelos brancos. Negros livres abusavam daqueles que ainda eram escravos; negros nascidos no Haiti consideravam selvagens aqueles trazidos da África. Todos - com boas razões - viviam aterrorizados com os outros. O Haiti era um inferno, mas o Haiti era rico."

Em 1791, paradoxalmente inspirados pela Revolução Francesa e sua Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, os escravos iniciaram uma revolta que 13 anos depois culminaria na declaração de independência, a primeira em um país latino-americano.

Muitos proprietários de terra morreram nas mãos de seus escravos e numerosas plantações foram queimadas.

Fazendeiros foram mortos e plantações foram queimadas na revolta
Fazendeiros foram mortos e plantações foram queimadas na revolta
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

O levante levou a uma guerra civil, na qual também interferiram outras grandes potências coloniais, como Espanha e Inglaterra, que apoiaram um ou outro grupo de acordo com sua conveniência.

A pressão da revolta estava conseguindo extrair concessões das autoridades francesas, que começaram a oferecer liberdade aos escravos que se juntavam às suas fileiras.

Em 1794, a França aboliu a escravidão em todas as suas colônias do Caribe.

No início da década seguinte, François-Dominique Toussaint Louverture, um ex-escravo militar que jurou lealdade à França, assumiu o controle de São Domingos e em 1801 foi nomeado "governador geral".

Seus movimentos não passariam despercebidos em Paris.

Uma invasão, um engano

Decidido a recuperar o controle da antiga colônia e restaurar sua "grandeza", no outono de 1801, Bonaparte enviou uma flotilha composta por 26 fragatas, 35 navios, 22.000 soldados e cerca de 20.000 marinheiros, segundo dados coletados pelo historiador americano JR McNeill.

Com tropas experientes e bem armadas diante de milícias locais mal equipadas, Leclerc conseguiu ganhar terreno e, em maio de 1802, ele fez um armistício com Toussaint
Com tropas experientes e bem armadas diante de milícias locais mal equipadas, Leclerc conseguiu ganhar terreno e, em maio de 1802, ele fez um armistício com Toussaint
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

No final de janeiro de 1802, essa força chegou ao seu destino, desembarcando em três portos diferentes.

Nos meses seguintes, eles receberiam mais reforços, embora não haja consenso entre os especialistas sobre a magnitude deles. Estima-se que a força total enviada tenha variado de 60.000 a 85.000 homens.

À frente dessa expedição estava o general Victor Emmanuel Charles Leclerc, marido de Pauline, a irmã mais nova e favorita de Napoleão.

O chefe militar recebeu instruções secretas sobre sua missão.

"Napoleão determinou que Leclerc restaurasse a economia das plantações, restaurasse São Domingos à França e acabasse com a independência de Toussaint", escreve McNeill em seu livro Mosquito Empires: Ecology and War in the Greater Caribbean, 1620-1914 (Impérios de mosquitos: ecologia e guerra no Caribe, 1620-1914, em tradução livre).

Seus objetivos também incluíam o restabelecimento da escravidão, mas somente quando os negros fossem desarmados e seus líderes deportados para a França, portanto havia discrição sobre esses planos.

Napoleão também instruiu Leclerc a agir astuciosamente diante de Touissant: ele devia primeiro demonstrar respeito para baixar a guarda e depois capturá-lo.

Toussaint Loverture
Toussaint Loverture
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Com tropas experientes e bem armadas diante de milícias locais mal equipadas, Leclerc conseguiu ganhar terreno e, em maio de 1802, fez um armistício com Toussaint, que se retirou para uma de suas muitas propriedades na região.

Um mês depois, no entanto, o líder haitiano cometeu o erro de ir a um encontro com Leclerc, que o prendeu e o deportou para a França, onde ele morreu em uma masmorra menos de um ano depois.

Um inimigo pequeno e mortal

Alguns historiadores consideram que a captura de Toussaint foi acelerada depois que Leclerc descobriu que o líder haitiano estava tentando ganhar tempo enquanto esperava os franceses recuarem ao serem derrotados por um inimigo implacável: a febre amarela.

O pequeno Aedes aegypti deu fim aos projetos de Bonaparte
O pequeno Aedes aegypti deu fim aos projetos de Bonaparte
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

"Toussaint tinha conhecimento médico e tinha consciência de quando e onde a febre atingiria seus inimigos europeus. Aparentemente, ele sabia que, ao manobrar para levar alvos a portos e terras baixas durante a estação chuvosa, eles morreriam em massa", dizem os historiadores da medicina John S. Marr e John T. Cathey.

Essa estratégia parece insinuada em uma carta que o general haitiano escreveu a Jean-Jacques Dessalines, que o sucederia como líder e se tornaria o primeiro presidente do Haiti pós-colonial.

Em seu texto, Toussaint instrui Dessalines a queimar um porto onde os franceses tinham uma guarnição e indica: "Não se esqueça que enquanto esperamos a estação das chuvas, que nos livrará de nossos inimigos, só teremos destruição".

Seus cálculos foram bem orientados. Quando a estação das chuvas começou em 1802, as tropas francesas começaram a cair sob os ataques do pequeno, mas implacável mosquito Aedes aegypti.

Leclerc reconhece o quão difícil foi essa batalha em uma carta que enviou ao ministro da Defesa francês Denis Descres na época:

"Um homem não pode trabalhar duro aqui sem arriscar sua vida e é impossível para mim ficar aqui mais de seis meses. Minha saúde é tão ruim que eu me consideraria sortudo se pudesse durar tanto tempo! A mortalidade continua e o medo causa estragos. O exército que calculávamos em 26.000 homens está reduzido no momento para 12.000. Neste momento eu tenho 3.600 homens no hospital", escreveu ele.

"Nas últimas noites, perdi de 30 a 50 homens por dia na colônia, e não passa um dia sem que 200 a 250 homens entrem no hospital, dos quais não mais que 50 saem", acrescentou.

O general Leclerc, cunhado de Bonaparte
O general Leclerc, cunhado de Bonaparte
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

As condições em que as tropas francesas viviam, em fortes lotados ou em navios nos portos, proporcionavam um ambiente propício ao melhoramento genético e ataque de mosquitos.

Além disso, as forças recém-chegadas do exterior não possuíam imunidade à doença, como poderia ter sido desenvolvida por aqueles que há muito residiam na ilha.

Como consequência, as tropas de Leclerc foram dizimadas pela febre amarela.

Segundo estimativas de McNeill, entre 80% e 85% dos soldados franceses enviados ao Haiti perderam a vida, a maioria devido a doenças e apenas alguns em combate.

"Sob todas as perspectivas, o número de mortos e a taxa de mortalidade são difíceis de entender a menos que se leve em consideração a convergência de fatores ambientais e ecológicos ideais para um desastre epidemiológico", resumiram John S. Marr e John T. Cathey.

Uma dessas fatalidades foi o próprio Leclerc, que morreu em novembro de 1802. Um ano depois, as forças francesas finalmente se retiraram da ilha e abandonaram formalmente sua tentativa de reconquista.

Alguns erros estratégicos contribuíram para sua derrota, como a captura de Toussaint, a decisão de Napoleão de restabelecer a escravidão na ilha de Guadalupe e as ações cruéis do sucessor de Leclerc, o general Donatien Rochambeau, que levou a França a encontrar uma resistência cada vez maior entre negros.

Nenhum desses elementos, no entanto, teve um efeito tão devastador quanto a febre amarela.

O nascimento de uma potência

A tentativa de Napoleão de recuperar o controle de São Domingos era acompanhada com interesse pelas outras potências, mas causou inquietação especialmente em um país recém-independente e ainda em desenvolvimento: os Estados Unidos.

Thomas Jefferson previa que a ocupação francesa de Louisiana levaria a conflitos nos EUA
Thomas Jefferson previa que a ocupação francesa de Louisiana levaria a conflitos nos EUA
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

No final de 1800, a Espanha cedeu a colônia da Louisiana à França por meio de um acordo secreto.

Esse território abrangia os estados atuais de Arkansas, Iowa, Missouri, Kansas, Oklahoma e Nebraska, além de partes de Minnesota, Novo México, Dakota do Sul, Texas, Wyoming, Montana e Colorado e do próprio estado da Louisiana e de partes das províncias canadenses de Alberta e Saskatchewan.

Mas o governo de Thomas Jefferson não estava tão preocupado com o tamanho do território, mas com sua localização: eles controlavam o rio Mississippi e o porto de Nova Orleans, onde viajavam três oitavos dos produtos exportados pelos Estados Unidos.

Outra causa de desconforto foi o fato de o novo proprietário ser uma potência em expansão, como a França de Napoleão.

"Isso muda completamente todas as relações políticas nos Estados Unidos e gerará uma nova época em eventos políticos", escreveu o presidente dos EUA em abril de 1802, logo após receber a confirmação da designação da Louisiana.

"A Espanha poderia controlá-la em silêncio por anos. Isso nunca pode ser esperado nas mãos da França. A impetuosidade de seu temperamento, a energia e o caráter inesgotável colocam-na em um ponto de atrito eterno conosco. É impossível que a França e os Estados Unidos possam permanecer amigos quando se encontram em uma situação tão tensa", disse o presidente americano, como relata o historiador Jon Meacham em sua biografia.

Tentando resolver a crise antes que ela surgisse, Jefferson enviou James Monroe a Paris no início de 1803 para negociar a compra de Nova Orleans com Napoleão.

James Monroe foi enviado à França para negociar a compra de Nova Orleans e acabou comprando toda a colônia de Louisiana
James Monroe foi enviado à França para negociar a compra de Nova Orleans e acabou comprando toda a colônia de Louisiana
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

O objetivo foi alcançado, mas com uma surpresa adicional: à proposta de compra de Nova Orleans, a França acrescentou a oferta de entregar toda a colônia da Louisiana.

Mas por que tomou essa decisão?

"Para a França, manter e defender terras tão distantes da Europa estava se tornando cada vez mais caro e problemático. A derrota nas mãos das forças de São Domingos foi especialmente problemática para Napoleão, que acreditava que ele deveria dedicar seus recursos a campanhas mais perto de casa", explica Meacham.

Foi assim que, em 30 de abril de 1803, foi assinado o acordo pelo qual os Estados Unidos compraram a Louisiana, encerrando assim qualquer preocupação com as ambições territoriais da França em seu ambiente mais próximo e conseguindo duplicar seu território a um preço baixo: US $ 15 milhões na época, equivalente a cerca de US $ 340 milhões em 2020.

Historiadores como Bob Corbett colocam São Domingos no centro da estratégia da França para o Novo Mundo, na qual a Louisiana pretendia servir como produtora de produtos para alimentar os escravos da ilha.

"Sem a ilha, o sistema tinha mãos, pés e até cabeça, mas não corpo. De que adiantava a Louisiana quando a França havia perdido a principal colônia que a Louisiana deveria alimentar e fortalecer?", perguntou o historiador Henry Adams.

Outros pesquisadores acreditam - com base em algumas evidências - que Bonaparte realmente tinha planos de tomar o controle da Louisiana e de lá conquistar os Estados Unidos, ou pelo menos estabelecer-se como uma força importante naquele território, dividido entre americanos, franceses e espanhóis.

Mesmo que um desses cenários estivesse correto, a derrota em São Domingos parece ter encerrado essas ambições.

A compra da Louisiana abriu as portas para a futura expansão dos EUA para o oeste, incluindo a guerra com o México, após a qual os Estados Unidos anexaram formalmente o Texas e compraram a Califórnia e o resto dos territórios ao norte do Rio Grande.

A compra de Louisiana permitiu aos EUA duplicar se território e abriu portas para a expansão a oeste
A compra de Louisiana permitiu aos EUA duplicar se território e abriu portas para a expansão a oeste
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Essa consolidação territorial não apenas ajudou a torná-lo o quarto país com o maior território do mundo, mas também limitou a dois o número de países com os quais compartilhava uma fronteira terrestre e deixou os oceanos Atlântico e Pacífico como barreiras naturais que o protegiam de agressões.

Todos esses elementos foram essenciais para impedir que os Estados Unidos fossem atacados por inimigos externos e impediram que suas infraestruturas (e em grande parte sua economia) fossem afetadas por conflitos armados.

E todas essas mudanças foram possibilitadas pela epidemia de febre amarela que atingiu as tropas francesas no Haiti.

Está claro por que o pesquisador Erwin Ackerknecht diz que essa foi provavelmente "a epidemia mais importante da história".

Veja também:

China responderá a sanções dos EUA
BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade