3 eventos ao vivo

Chelsea Manning, fonte do WikiLeaks, deixa prisão nos EUA

17 mai 2017
11h49
atualizado às 12h26
  • separator
  • 0
  • comentários

A ex-agente transgênero Chelsea Manning deixou hoje (17) o presídio militar de Fort Leavenworth, no estado do Kansas. Ela estava presa havia sete anos, mas recebeu um indulto do presidente Barack Obama, poucos dias antes de ele deixar o governo em janeiro deste ano.  Manning foi condenada por vazar mais de 70 mil documentos diplomáticos e militares por meio do site WikiLeaks.

A ex-militar Chelsea Manning, que em 2010 vazou documentos secretos ao site WikiLeaks.
A ex-militar Chelsea Manning, que em 2010 vazou documentos secretos ao site WikiLeaks.
Foto: Reuters

Chelsea Manning foi condenada antes de iniciar seu processo de mudança de gênero. Antes ela era um soldado do exército norte-americano, e foi condenada por vazar os documentos sigilosos há 35 anos de prisão. Com a comutação da pena, ela deverá terminar de cumprir a sentença em liberdade.

Chelsea estava deprimida no presídio e tentou suicídio duas vezes na prisão militar. O próprio fundador da WikiLeaks, Julian Assange, disse no Twitter que aceitaria ser extraditado à Suécia, se o governo Obama assinasse o indulto para ela.

Assange vive na embaixada do Equador em Londres, desde 2012, para se proteger de uma extradição à Suécia, onde ele enfrenta um processo por agressão sexual.  Caso seja extraditado à Suécia, Assange poderia depois ser extraditado novamente, aos Estados Unidos, para responder pelo vazamento das informações da WikiLeaks.

A decisão de Obama na época foi bastante criticada por republicanos e pelo próprio presidente Donald Trump que ainda não havia tomado posse.  Opositores a consideraram "ingênua" por acreditarem que Assange estaria blefando.

Mesmo assim, entre ativistas de direitos humanos, a ação foi elogiada e considerada de caráter humanitário. A própria Chelsea mandou um recado via Twitter agradecendo ao então presidente Barack Obama.

A imprensa norte-americana afirma que agora, ela poderá dar continuidade ao seu processo de mudança de gênero.

Veja também

Coreia do Norte rejeita condenação da ONU por último míssil

 

Agência Brasil Agência Brasil
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade