PUBLICIDADE

Chanceler da Venezuela: crise é desculpa para intervenção

Jorge Arreaza diz que o buraco econômico de seu país é promovido para justificar um golpe militar

10 set 2018 08h13
ver comentários
Publicidade

GENEBRA - O chanceler da Venezuela, Jorge Arreaza, denunciou nesta segunda-feira, 10, na ONU a ameaça de uma intervenção militar em seu país, e alertou que a crise econômica está sendo "manipulada" e "promovida" para justificar um "golpe militar".

No fim de semana, o jornal The New York Times revelou que funcionários da administração do presidente Donald Trump teriam se reunido em segredo com militares venezuelanos rebeldes sobre um golpe contra o líder Nicolás Maduro. O governo chavista considerou a situação "inaceitável e injustificável" e convocou para terça-feira uma manifestação "contra o imperialismo".

O ministro das relações exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza
O ministro das relações exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza
Foto: Adriana Loureiro/File Photo / Reuters

Em seu discurso, o chanceler venezuelano insistiu que há um "interesse" da comunidade internacional em usar o tema de direitos humanos com o objetivo de intervir e "disseminar uma crise para promover uma intervenção multilateral". Arreaza se reunirá nesta segunda-feira com a chefe de Direitos Humanos da ONU, Michelle Bachelet, após anos de clima de tensão entre a entidade e o governo Maduro.

Há pelo menos quatro anos Caracas impede a entrada de representantes de direitos humanos da ONU para monitorar a situação no país. O último encontro entre um alto representante da entidade para direitos humanos e um ministro de Maduro aconteceu em 2014.

"Denunciamos essas medidas e pedimos, em nome do povo, o fim da agressão política, econômica, ameaça militar e agressão midiática", disse o chanceler.

Citando o relatório de um aliado na ONU, Arreaza insistiu que a Venezuela não vive uma crise humanitária. "Existe uma crise econômica como resultado das sanções de EUA e Europa que agravam a situação." Em sua avaliação, é o embargo promovido pelos americanos e europeus que acarreta a falta de remédios e alimentos, e poderia ser considerado um crime contra a humanidade.

Para Arreaza, as sanções têm como meta "forçar uma mudança de regime, inclusive com um golpe militar por parte do governo Trump". "Há um golpe militar sendo preparado para perturbar nossa democracia", denunciou ele. "Talvez tenhamos muito petróleo e isso nos coloca nos objetivos dos grandes interesses capitalistas."

Ao discursar, o chanceler apontou ainda como o tema de direitos humanos se tornou uma "arma" nessa estratégia e acusou os documentos do Alto Comissariado da ONU de "difamatórios". Os textos revelam sérias violações de direitos humanos.

Mesmo as ofertas de ajuda humanitária ao país são consideradas manipulações. "É um grande cinismo. Ele promovem bloqueios contra a Venezuela e depois oferecem ajuda humanitária. Nos enforcam e depois querem ser nossos salvadores", ironizou Arreaza.

Veja também

O espião infiltrado na Coreia do Norte que acabou preso por traição em seu país:
 
Estadão
Publicidade
Publicidade