PUBLICIDADE

Canadense e americanos dividem Nobel de Economia

Pelas contribuições empíricas para a economia do trabalho e colaborações metodológicas para a análise das relações causais

11 out 2021 07h55
| atualizado às 08h20
ver comentários
Publicidade

O canadense David Card e os americanos Joshua Angrist e Guido Imbens conquistaram nesta segunda-feira (11) o Prêmio Nobel de Economia de 2021.

Enquanto o primeiro foi laureado por suas "contribuições empíricas para a economia do trabalho", os outros dois foram premiados por suas colaborações "metodológicas para a análise das relações causais", de acordo com a Real Academia de Ciências da Suécia.

Anúncio dos vencedores do Prêmio Nobel de Economia em 2021
Anúncio dos vencedores do Prêmio Nobel de Economia em 2021
Foto: EPA / Ansa - Brasil

"Os laureados deste ano nos deram novos pontos de vista sobre o mercado de trabalho e mostraram quais conclusões sobre causa e efeito podem ser tiradas de experimentos naturais. Sua abordagem se espalhou para outros campos e revolucionou a pesquisa empírica", diz o comunicado da instituição sueca.

David Card, nascido em 1956, em Guelph, no Canadá, é professor de economia na Universidade da Califórnia, nos EUA, e usou experimentos naturais no início dos anos 1990 para analisar os efeitos do salário mínimo, da imigração e da educação no mercado de trabalho.

"Os resultados mostraram, entre outras coisas, que o aumento do salário mínimo não necessariamente leva a menos vagas de trabalho. Nós sabemos agora que a renda das pessoas nascidas em um país pode se beneficiar com nova imigração, enquanto indivíduos que imigraram antes podem ser afetados negativamente", afirma a Real Academia.

Além disso, as pesquisas de Card mostraram que recursos nas escolas são "muito mais importantes" para estudantes entrarem no mercado de trabalho do que se pensava anteriormente. O canadense ficará com metade do prêmio de 10 milhões de coroas suecas, quantia equivalente hoje a R$ 6,3 milhões.

Por sua vez, Angrist, nascido em 1960, em Columbus, é professor de Economia no Instituto de Tecnologia de Massachusetts, enquanto Imbens, nascido em 1963, em Eindhoven, nos Países Baixos (ele também tem cidadania neerlandesa), leciona na Universidade Stanford.

Segundo a Real Academia, ambos resolveram um problema metodológico ao demonstrar "o quão precisas são as conclusões entre causa e efeito que podem ser tiradas de experimentos naturais". Os dois dividirão a outra metade do prêmio em dinheiro dado pelo Nobel de Economia.

"Os estudos de Card sobre questões centrais para a sociedade e as contribuições metodológicas de Angrist e Imbens mostraram que os experimentos naturais são uma rica fonte de conhecimento. Suas pesquisas aumentaram substancialmente nossa capacidade de responder questões causais, algo que tem sido de grande benefício para a sociedade", diz Peter Fredriksson, presidente do Comitê do Prêmio de Ciências Econômicas.

Outros prêmios

O Nobel de Economia é o último da semana de premiações iniciada em 4 de outubro.

A edição de 2021 também laureou os americanos David Julius e Ardem Patapoutian com o de Medicina; o italiano Giorgio Parisi, o japonês Syukuro Manabe e o alemão Klaus Hasselmann com o de Física; e o alemão Benjamin List e o britânico David MacMillan com o de Química.

Além disso, o escritor tanzaniano Abdulrazak Gurnah conquistou o Nobel de Literatura, enquanto os jornalistas Maria Ressa, das Filipinas, e Dmitry Muratov, da Rússia, ganharam o Nobel da Paz. Dos 13 premiados neste ano, Ressa é a única mulher.

Ansa - Brasil   
Publicidade
Publicidade