0

"Bolsonaro só fala", ironiza Battisti sobre extradição

Italiano definiu promessa de extradição como "fanfarrice"

31 out 2018
15h30
atualizado às 15h47
  • separator
  • 0
  • comentários

O italiano Cesare Battisti negou hoje (31) que esteja "fugindo" para evitar que o novo governo de Jair Bolsonaro extradite-o à Itália, onde é considerado terrorista e foi condenado à prisão perpétua por assassinatos cometidos na década de 70."Bolsonaro pode dizer o que quiser. Estou protegido pelo Supremo Tribunal. O que ele diz são só palavras, fanfarrices. Ele não pode fazer nada. Existe a Justiça e estou protegido pela Justiça. Ele não tem nada a ver com isso", defendeu-se Battisti, em uma entrevista à "Radio Rai", da Itália.

O ex-membro do grupo Proletários Armados pelo Comunismo (PAC) também negou estar preocupado com uma possível extradição: "Absolutamente não. Não acredito que Bolsonaro tenha interesse em criar discórdia entre os Poderes Judiciário e Executivo. Cada um pode falar o que quiser. Mas eu não tenho nenhum problema", relatou.

Ex-ativista italiano Cesare Battisti
Ex-ativista italiano Cesare Battisti
Foto: Alisson Gontijo/ O TEMPO / Estadão Conteúdo

A declaração de Battisti vem horas após a publicação de uma hipótese de fuga levantada pelo jornal "La Stampa", que conversou com vizinhos de Battisti em Cananeia, no litoral de São Paulo, os quais disseram que não veem o italiano desde segunda-feira (29)."Não estou fugindo. Estou voltando para casa e está tudo tranquilo. Vou a São Paulo uma vez por mês, por cinco dias, por razões médicas. Dessa vez, também tratei da publicação do meu livro. Estou voltando para casa, como sempre. Não há nada alarmante, não estou fazendo nada além da rotina", alegou.

Procurado pela ANSA, o advogado de Battisti, Igor Tamasauskas, tinha confirmado mais cedo a versão do italiano e detalhou que se reunira na segunda-feira (29), em São Paulo, com Battisti. "Ele me disse que visitaria uns amigos e depois retornaria, mas não precisou a data", declarara. O nome de Battisti voltou à tona no noticiário porque o presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro, promete extraditá-lo assim que tomar posse.

O vice-premier italiano e ministro do Interior, Matteo Salvini, comemorou a eleição de Bolsonaro no último domingo e escreveu, em sua conta no Twitter, que gostaria de vir ao Brasil buscar Battisti.

Mas, apesar da promessa de Bolsonaro à Itália, existe uma liminar do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux que garante a permanência de Battisti no Brasil. Fux é relator do caso que decidirá se o asilo concedido pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2010, pode ser revogado por um sucessor. Battisti também é réu em dois processos, por falsidade ideológica e evasão de divisas. Neste último, ele é acusado de tentar fugir para a Bolívia com o equivalente a mais de R$ 20 mil em moeda estrangeira. O italiano nega a denúncia e diz que queria apenas comprar material de pesca com dois amigos.

Veja também:

 

Ansa - Brasil   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade