PUBLICIDADE

Autor de ataque na Noruega é dinamarquês convertido ao Islã

Homem de 37 anos matou cinco pessoas a flechadas em Kongsberg

14 out 2021 08h19
| atualizado às 08h45
ver comentários
Publicidade
Local de ataque em Kongsberg, na Noruega
Local de ataque em Kongsberg, na Noruega
Foto: EPA / Ansa - Brasil

O autor do ataque a flechas que matou cinco pessoas em Kongsberg, na Noruega, é um dinamarquês de 37 anos convertido ao Islã. Armado com um arco, o agressor disparou flechas contra pedestres em diversas zonas do centro da cidade na última quarta-feira, 13, deixando um saldo de cinco mortos e dois feridos. As vítimas são quatro mulheres e um homem entre 50 e 70 anos.

O dinamarquês foi preso e transferido para a penitenciária de Drammem, a 40 quilômetros de Kongsberg. Seu nome, no entanto, ainda não foi divulgado oficialmente.

"Pela forma como transcorreram os eventos, é natural considerar que possa se tratar de um ato de terrorismo", declarou o chefe da polícia de Drammem, Oyvind Aas, acrescentando que nenhuma hipótese está descartada no momento.

As forças de segurança chegaram a monitorar o dinamarquês em 2020 por suspeita de radicalização islâmica, mas "não havia alertas sobre ele em 2021", de acordo com outro funcionário da polícia norueguesa, Ole Bredrup Saeverud.

"Estamos investigando para confirmar que ele agiu sozinho, não temos nada que aponte o contrário, mas continuamos as apurações para estarmos completamente seguros", acrescentou Saeverud.

Já o primeiro-ministro da Noruega, Jonas Gahr Store, definiu o ataque como um "ato cruel e brutal". "Meus pensamentos e minha profunda solidariedade vão para as pessoas atingidas, suas famílias, a polícia, o pessoal sanitário e as equipes de socorro", disse.

O ataque ocorreu pouco mais de 10 anos depois da pior série de atentados da história da Noruega. Em 22 de julho de 2011, o terrorista de extrema direita Anders Behring Breivik matou 77 pessoas ao detonar uma bomba em frente à sede do governo, em Oslo, e ao abrir fogo em um acampamento da juventude trabalhista na ilha de Utoya.

Ansa - Brasil   
Publicidade
Publicidade