0

Chefe de direitos humanos da ONU recomenda levar Coreia do Norte à Justiça

Relatório compara regime de Kim Jong-un às atrocidades do tempo do nazismo

18 fev 2014
20h32
  • separator
  • comentários

A comissária da ONU para Direitos Humanos, Navi Pillay, fez um chamado às potências mundiais nesta terça-feira para que encaminhem a Coreia do Norte à promotoria do Tribunal Penal Internacional (TPI), depois da divulgação de um relatório da organização documentando crimes contra a humanidade no país.

Investigadores independentes da ONU recomendaram que a organização encaminhe o caso da Coreia do Norte ao TPI
Investigadores independentes da ONU recomendaram que a organização encaminhe o caso da Coreia do Norte ao TPI
Foto: Reuters

Chefes do setor de segurança norte-coreanos e possivelmente até o próprio líder supremo do país, Kim Jong-un, deveriam ser levados à justiça internacional por ordenarem tortura sistemática, fome e matanças comparáveis às atrocidades do tempo do nazismo, disseram investigadores da ONU na segunda-feira.

"Nós precisamos agora de uma forte liderança internacional para agir em relação às graves descobertas da Comissão de Inquérito. Portanto, peço à comunidade internacional, em conformidade com as recomendações do relatório, que use todos os mecanismos à sua disposição para garantir a responsabilização, incluindo o encaminhamento ao Tribunal Penal Internacional", disse Navi em um comunicado emitido em Genebra.

Os investigadores independentes da ONU, liderados por Michael Kirby, recomendaram que a organização encaminhe o caso da Coreia do Norte ao TPI, com sede em Haia, ou estabeleça um tribunal especial.

O Conselho de Direitos Humanos da ONU, órgão formado por 47 Estados membros, que deu início à investigação um ano atrás, deve realizar um debate sobre o relatório em 17 de março e votar suas recomendações em 28 de março.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade