PUBLICIDADE

Agência de Israel investigará mortes por esmagamento em festival religioso

3 mai 2021
0comentários
Publicidade

Um agência do governo de Israel disse nesta segunda-feira que iniciará uma investigação sobre as mortes de 45 pessoas esmagadas durante um tumulto em um festival religioso judeu na semana passada.

Israel observa dia de luto após 45 pessoas morrerem esmagadas em festival religioso judeu em Monte Meron
02/05/2021 REUTERS/Amir Cohen
Israel observa dia de luto após 45 pessoas morrerem esmagadas em festival religioso judeu em Monte Meron 02/05/2021 REUTERS/Amir Cohen
Foto: Reuters

O controlador estatal Matanyahu Englman disse que seu escritório, que audita o governo, analisará as circunstâncias do evento no Monte Meron, na região da Galileia.

"Quero anunciar hoje que pretendo iniciar uma auditoria especial que investigará as circunstâncias que levaram a esta tragédia", disse ele aos repórteres.

Israel observou um dia de luto no domingo depois de um de seus piores desastres civis. Seis cidadãos norte-americanos estão entre os mortos, assim como dois canadenses, um britânico e um argentino.

O escritório de Englman pode examinar e trazer a público suas conclusões, mas não apresentar acusações criminais. Muitos em Israel conclamaram o governo a formar um comitê de nível mais elevado com mais autoridade para investigar o que aconteceu.

Anos atrás, o escritório do controlador classificou o complexo do Monte Meron, local situado no norte de Israel onde o festival ocorreu entre quinta e sexta-feira passadas, como perigoso.

Questionou-se se o governo e a polícia relutaram em limitar o tamanho do público no local para não irritar rabinos e políticos ultraortodoxos influentes.

O primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, prometeu uma investigação após as mortes.

((Tradução Redação São Paulo, 5511 56447759)) REUTERS ES

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade