PUBLICIDADE

Michelle disse que Deus provaria honestidade de Milton Ribeiro

No dia da demissão, primeira-dama afirmou que confiava em ex-ministro, de quem se aproximou pelo vínculo religioso

22 jun 2022 19h16
| atualizado às 20h49
ver comentários
Publicidade
Michelle disse que Deus provaria honestidade de Milton Ribeiro, preso pela Polícia Federal
Michelle disse que Deus provaria honestidade de Milton Ribeiro, preso pela Polícia Federal
Foto: Mais Goiás

A primeira-dama Michelle Bolsonaro defendeu em público o ex-ministro da Educação Milton Ribeiro, preso pela Polícia Federal nesta quarta-feira, 22, quando já havia fortes suspeitas contra ele. No dia em que Ribeiro foi demitido, em 28 de março, Michelle disse que confiava no ex-ministro, mesmo diante de uma série de reportagens do Estadão que revelaram desmandos e até pedidos de propina no gabinete paralelo. O esquema era operado por pastores amigos de Ribeiro, dentro do Ministério da Educação (MEC).

"Eu amo a vida dele. Deus sabe de todas e vai provar que ele é uma pessoa honesta, justo, fiel e leal", disse Michelle a jornalistas, naquela ocasião. "Estou orando pela vida dele."

Ao lado de outros ministros, Michelle afirmou que conversava com Ribeiro diariamente. Religiosa, a primeira-dama se aproximou de todos os ministros evangélicos do governo e costumava promover orações em encontros públicos ou reservados, ao lado deles.

Em março, quando o esquema no MEC foi revelado pelo Estadão, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que colocaria a sua "cara no fogo" por Milton Ribeiro; Michelle disse que o ex-ministro era uma pessoa "honesta" Foto: Wilton Junior/Estadão

Pelo menos três ex-ministros tiveram proximidade com Michelle por causa do vínculo religioso. Além do pastor Milton Ribeiro, que é da Igreja Presbiteriana, Michelle cultivou uma relação de amizade com a ex-ministra Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos), pastora da Igreja Batista da Lagoinha, e com André Mendonça, reverendo da Igreja Presbiteriana Esperança.

Mendonça foi titular da Justiça e Segurança Pública e da Advocacia-Geral da União (AGU) antes de ser indicado para ocupar uma cadeira no Supremo Tribunal Federal (STF), com apoio de Michelle. Até então, Mendonça era o ministro da Esplanada com relações mais estreitas com Ribeiro. Foi ele quem articulou a indicação do pastor para o MEC, após a queda de Abraham Weintraub, e até sugeriu nomes para compor a equipe.

Estadão
Publicidade
Publicidade