0

"Não existe má-fé", diz defesa de Lula sobre propaganda

TSE negou registro de Lula e permitiu que a coligação do PT continuasse com sua propaganda no horário eleitoral, desde que o ex-presidente não aparecesse como candidato

5 set 2018
12h38
atualizado às 13h57
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O advogado Eugênio Aragão, que integra a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), disse nesta quarta-feira, 5, que não houve nenhum tipo de "má-fé" por parte da campanha petista ao veicular nos últimos dias propaganda no rádio e na televisão com o ex-presidente na condição de candidato ao Palácio do Planalto nas eleições 2018.

Na madrugada do sábado,1, o TSE negou registro de Lula e permitiu que a coligação do PT continuasse com sua propaganda no horário eleitoral, desde que o ex-presidente não aparecesse como candidato. Desde então, a campanha do PT já sofreu pelo menos cinco reveses no TSE, que determinou a suspensão de inserções veiculadas ao longo dos últimos dias.

Lula, durante o programa eleitoral do PT para as eleições 2018
Lula, durante o programa eleitoral do PT para as eleições 2018
Foto: Reprodução/Campanha do PT / Estadão Conteúdo

"Ainda tem inserções antigas (veiculadas), a logística disso é complicada. Não existe nenhum tipo de má-fé, o que existe é limitação técnica", disse Aragão em coletiva de imprensa em Brasília. "Não tinha condição de promover (a tempo) essa troca (de mídias), tivemos contato com o departamento jurídico de emissoras."

O advogado ressaltou que os próximos programas eleitorais estão sendo elaborados a partir da decisão do plenário do TSE, ou seja, ainda com a imagem de Lula, mas com ele na condição de apoiador da campanha."Estamos cientes dessa situação. Para nós, é uma situação delicada do ponto de vista jurídico", afirmou Aragão.

De acordo com Aragão, a questão foi discutida na terça-feira em reunião com ministros do TSE que cuidam de questões de propaganda e com o vice-procurador-geral eleitoral, Humberto Jacques, para que seja promovido uma espécie de acordo "para definir o que é permitido e o que não é".

"Não quero falar em censura. Estamos assistindo a uma situação de indefinição. Não houve opção (do TSE) pela tela azul, o tribunal permitiu que a propaganda continuasse", ressaltou Aragão.

"Estamos em um limbo jurídico. O tribunal permitiu que o Fernando Haddad continuasse aparecendo, mas não poderia fazer pedido de votos para Lula. Situação inusitada", comentou o advogado eleitoral do PT.

Apesar da controvérsia, o PT não abre mão de exibir a imagem de Lula no horário eleitoral. "Temos clareza de que Lula pode aparecer como apoiador", afirmou Aragão.

Veja também

Lula recebe visita de Fernando Haddad em Curitiba

 

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade