PUBLICIDADE

Lula usa broche de combate à exploração sexual de crianças em debate na Band

Semana foi marcada por polêmica de Damares e fala de "pintou um clima" de Bolsonaro sobre adolescentes

16 out 2022 - 21h09
(atualizado em 17/10/2022 às 01h41)
Compartilhar
Exibir comentários
Lula usa broche com a exploração sexual de crianças
Lula usa broche com a exploração sexual de crianças
Foto: Suamy Beydoun/Agif / Estadão

O candidato Luiz Inácio Lula da Silva (PT) apareceu no debate presidencial na TV Band com um broche de uma flor amarela em homenagem à Campanha Nacional de Mobilização de Combate à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes, que tem como slogan: "Faça bonito, proteja nossas crianças e adolescentes".

A escolha de Lula acontece um dia após viralizar o vídeo em que Jair Bolsonaro (PL) falou que "pintou um clima" com adolescentes venezuelanas.

Em sua chegada para o debate, o candidato petista já tinha lembrado do tema e provocado o rival.

"Não é a primeira vez que ele zomba, que ele faz coisa que não deveria fazer, que ele fala coisa que não deveria falar. Ele, na verdade, agiu com muita má-fé com aquelas meninas", afirmou o ex-presidente. 

"Ele, no cargo de presidente, deveria respeitar muito as meninas da idade da filha dele. As meninas estavam trabalhando e ele achou que era outra coisa, tanto é que ele disse que 'pintou um clima'", completou. 

A polêmica também foi tema da fala inicial na chegada de Bolsonaro, que disse que a acusação de envolvimento com pedofilia foi “sórdida” e que viveu "um dia terrível". O presidente afirmou que utiliza o termo “pintou o clima” para se referir a uma oportunidade de conversa com as venezuelanas.

Lula usa broche de combate à exploração sexual de crianças em debate na Band
Lula usa broche de combate à exploração sexual de crianças em debate na Band
Foto: Estadão

"Pintou um clima"

A polêmica começou após uma declaração do presidente a um podcast na sexta-feira, 14. Respondendo a uma pergunta sobre a hipótese de o Brasil se tornar comunista numa eventual vitória de Luiz Inácio Lula da Silva, ele insinuou que meninas venezuelanas têm de se prostituir no Brasil para "ganhar a vida". Bolsonaro relatou que, em 2020, estava andando de moto em Brasília quando viu meninas "arrumadinhas" de "14, 15 anos", até que "pintou um clima" e ele pediu para entrar na casa delas.

"Eu estava em Brasília, na comunidade de São Sebastião, de moto. Parei a moto numa esquina, tirei o capacete e olhei umas menininhas bonitas, de 14, 15 anos, arrumadinhas no sábado numa comunidade, e vi que eram parecidas. Pintou um clima, voltei. 'Posso entrar na sua casa?', entrei. Tinha umas 15, 20 meninas sábado de manhã se arrumando. Todas venezuelanas. Aí eu te pergunto, menina bonitinha se arrumando sábado de manhã para quê? Para ganhar a vida", disse o presidente ao podcast.

O deputado distrital Leandro Grass (PV) encaminhou ofício à Procuradoria-Geral da República pedindo investigação sobre a conduta do chefe do Executivo. No documento, o parlamentar argumenta que "tão grave" quanto a declaração sobre ter "pintado um clima" foi o fato de o presidente ter identificado uma situação de exploração de menores e "não ter feito uma denúncia formal para as autoridades competentes".

Polêmica com Damares Alves

Durante um culto em Goiás, no último sábado, 8, Damares Alves relatou supostos casos de violência sexual contra crianças na Ilha de Marajó. Na ocasião, ela afirmou que crianças da ilha paraense são traficadas para o exterior e submetidas a mutilações corporais e a regimes alimentares que facilitam abusos sexuais. Já durante uma entrevista nesta quinta, Damares afirmou que as denúncias foram baseadas em conversas de rua. 

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Publicidade