0

Haddad diz que Lula tem "método de trabalho exemplar"

Ex-prefeito de São Paulo afirmou que Lula sabe conduzir a economia e se diz convicto da volta do ex-presidente ao Planalto

9 ago 2018
11h02
atualizado às 15h14
  • separator
  • comentários

O candidato a vice-presidente na chapa do PT nas eleições 2018, Fernando Haddad, defendeu em evento com investidores nesta quinta-feira, 9, o "método de trabalho" do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso e condenado da Operação Lava Jato desde 7 de abril em Curitiba.

Fernando Haddad (PT) e Manuela d'Ávila (PCdoB) em entrevista coletiva após lançamento da candidatura de Lula
Fernando Haddad (PT) e Manuela d'Ávila (PCdoB) em entrevista coletiva após lançamento da candidatura de Lula
Foto: Henrique Barreto / Futura Press

"Lula não é oráculo para nós. Ele criou um método de trabalho que é exemplar para governar, ao reconhecer quando não conhece um assunto e chamar para o diálogo", afirmou, em evento do banco BTG Pactual com presidenciáveis.

Ao defender a legitimidade da candidatura do ex-presidente, Haddad afirmou que Lula sabe "muito bem" conduzir a economia. "Digo com a maior convicção de que Lula vai voltar à Presidência. Este retorno tem de acontecer, vamos lutar para acontecer", disse. Para Haddad, o governo terá de adotar uma política fiscal "robusta" se o partido chegar ao Planalto em 2019.

O petista - que pode assumir a chapa em caso de impedimento judicial de Lula - confirmou que não estará no debate desta quinta, 9, na TV Bandeirantes, no primeiro debate dos candidatos à Presidência da República.

No evento, ele criticou a emenda constitucional 95, do chamado "teto dos gastos", que, para ele, causou desordens no setor público. "É uma ingenuidade política o teto de gastos, porque ele não inibiu nenhuma das pautas-bomba", afirmou.

Para o ex-prefeito de São Paulo, o presidente que vai assumir o cargo em 2019 terá de construir uma agenda comum de reformas. "Inclusive com a oposição", constatou. "Porque acho que o presidente a ser eleito não vai sair das urnas muito forte". No entanto, ele criticou a postura do PSDB, que, segundo o petista, não aceitou o resultado eleitoral de 2014.

O petista defendeu ainda que um eventual governo petista vai tratar em 2019 da questão dos regimes próprios de Previdência de municípios. "Este é um dos problemas mais urgentes da Previdência. Interessa a todos, é sensata no campo social e exequível no político", disse.

Para Haddad, o País está vivendo uma "anarquia jurídica, inclusive em tribunais superiores". Ele defendeu mais uma vez as discussões em torno da reforma do Judiciário. Após polêmicas, o programa do PT atenuou as propostas de alterar leis que "interditam a política".

Veja também

 

Estadão Conteúdo

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade