PUBLICIDADE

Marcinho VP ocupa cadeira nº 1 da Academia Brasileira de Letras do Cárcere, inaugurada no Rio

O traficante chefe do Comando Vermelho ocupa a cadeira com nome do escritor Graciliano Ramos; conheça os detentos e ex-detentos homenageados

18 abr 2024 - 22h31
(atualizado às 22h59)
Compartilhar
Exibir comentários
Resumo
A Academia Brasileira de Letras do Cárcere foi inaugurada nesta quinta-feira, 18, na Faculdade do Rio de Janeiro, objetivando incentivar a produção literária de encarcerados e egressos. Serão 20 'imortais', sendo um deles o traficante Marcinho VP.
Marcinho VP ocupa a 1ª cadeira da ABLC
Marcinho VP ocupa a 1ª cadeira da ABLC
Foto: Divulgação/ABLC

Marcio Nepomuceno é o nome do primeiro "imortal" da Academia Brasileira de Letras do Cárcere (ABLC), iniciativa que foi inaugurada nesta quinta-feira, 18, em uma cerimônia na Faculdade Rio de Janeiro, na capital fluminense. Marcinho VP, como é mais conhecido, é líder da facção Comando Vermelho e agora ocupa também, simbolicamente, a cadeira "Graciliano Ramos" da academia.

Um grupo de advogados criminalistas criou a ABLC, uma releitura da Academia Brasileira de Letras (ABL), que tem o intuito de incentivar a produção literária de detentos.

"A ABLC tem por finalidade estimular a escrita e leitura de livros escritos por encarcerados e egressos, visando sua reinserção social e a valorização do ser humano em cumprimento de penas privativas de liberdade", diz a nota publicada no blog do advogado e ex-desembargador Siro Darlan, que impulsionou a criação da ABLC.

Aposentado compulsoriamente por supostamente ter favorecido um cliente de seu filho enquanto era desembargador, Siro foi o maior propulsor e porta-voz da nova academia.

"O lançamento da Academia Brasileira de Letras do Cárcere representa um importante passo em direção à valorização da diversidade e inclusão na literatura brasileira", afirma Darlan.

Qual você já leu? Conheça os livros escolhidos pelos famosos Qual você já leu? Conheça os livros escolhidos pelos famosos

Imortais da ABLC

A ABLC contará com 20 imortais, mas, até o momento, apenas seis cadeiras foram ocupadas. Veja os nomes que foram anunciados no evento de lançamento da academia:

  • Marcinho VP: preso desde 1996, o traficante escreveu três livros de dentro da cadeia. Ao anunciar que ele estaria dentre os imortais, Siro Darlan citou seu livro A Execução Penal Banal Comentada.
  • Fábio da Hora Serra, apelido Sagat: já foi envolvido tanto com o CV como com o PCC, mas hoje é ex-traficante e prega contra o crime. Cumpriu 12 anos de prisão e é autor do livro O Bandido que Virou Artista.
  • André Borges: preso em 1958, por assalto à mão armada, passou 21 anos como detento. Nesse período, escreveu 21 livros. Foi solto em 1979, após ser considerado um preso político.
  • Edilberto José Soares: órfão desde a infância, passou 20 anos na prisão depois de se envolver com a criminalidade. Na detenção, se descobriu poeta e, desde que deixou o cárcere, se dedica à poesia. Seu primeiro livro foi lançado em 2022, O Último Grito da Poesia.
  • Emerson Franco: preso aos 19, cumpriu sete anos de prisão em regime fechado, onde começou a escrever. Depois, se formou em Sociologia e hoje é professor. Lançou o livro Francas Palavras no ano passado.
  • Paulo Henrique Milhan: ex-presidiário por tráfico de drogas, escreveu quatro livros ainda na cadeia e mais dois fora. Ele também criou uma editora própria para publicar seus livros, como Tarde Demais para Acreditar no Amor.

Os outros integrantes da ABLC devem ser anunciados em breve, em novas cerimônias.

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Publicidade